Dá para pular de cabeça no trabalho? Ou isso é coisa de “velho”?

Foto: Neil Moralee/Creative Commons

A publicação de um livro promete esquentar o debate sobre se redes sociais ajudam ou atrapalham no trabalho. Mais que isso, reabre discussões como se apenas é possível conseguir bons resultados concentrando-se totalmente nas tarefas ou ainda o choque de gerações no uso dos meios digitais como ferramenta de produtividade.

Seu título é “Deep Work: rules for focused success in a distracted world” (“Trabalho Profundo: regras para sucesso focado em um mundo distraído”, em uma tradução livre, pois ainda não foi lançado no Brasil), do pesquisador Cal Newport, da Universidade de Georgetown (EUA). Segundo sua teoria, as constantes distrações de inúmeras ferramentas digitais criam o que ele chama de “shallow work” (ou “trabalho raso”), de má qualidade e pouco produtivo.


Vídeo relacionado:


Para justificar sua tese, Newport usa o conceito de “atenção residual”, uma característica de nosso cérebro que faz com que, ao mudarmos de uma tarefa para outra, parte da nossa atenção permanece na tarefa original. Oras, se os estímulos digitais estão constantemente competindo por nós, isso seria levado às últimas consequências, impedindo que consigamos nos concentrar efetivamente em algo (no caso, no trabalho) e, dessa forma, obter um bom resultado dele.

O que ele propõe para resolver isso? Limitar dramaticamente o uso da tecnologia digital.

Em um primeiro momento, a teoria de Newport parece bastante razoável. Afinal, não precisa ser gênio para compreender que constantes interrupções minam a produtividade de qualquer um. Mas ele escorrega ao supor que todo mundo funcione da mesma maneira, e ao radicalizar na possível solução.

É claro que passar o dia no Facebook ou no WhatsApp trará prejuízos ao trabalho de qualquer um, não pelo impacto da “atenção residual”, mas também pelo tempo gasto nas interações nas redes sociais, que supostamente deveria estar sendo dedicado ao trabalho. Isso não se discute!

Mas muita calma nessa hora!

 

Suicídio digital?

Isso é muito diferente de simplesmente sumir das redes sociais. A menos que você seja um ermitão, que more isolado da sociedade e supra todas as suas necessidades sozinho (e aposto que você não é), você não pode ignorar as redes sociais. pelo simples fato que AS PESSOAS ESTÃO LÁ! Não estou dizendo que você precisa participar de todas as redes da moda, mas pelo menos aquelas que têm relação com o que você é e faz.

Como sugere Newport, esse quase suicídio virtual lhe pouparia um precioso tempo que poderia ser aproveitado em outras tarefas, inclusive no trabalho. Mas, ao contrário do que sugere o autor, você perderia, sim, muitas coisas importantes.

Não apenas você pode começar a ser visto como “o estranho da família que nunca sabe o que está acontecendo”, como perder dinheiro. Como profissional, você simplesmente desapareceria para o mercado, e dificilmente seria cogitado para vagas de trabalho, pois as redes sociais se transformaram em ferramentas essenciais para recrutadores e headhunters. Se não puder ser visto, essas pessoas jamais saberão de sua existência.

Da mesma forma, informações críticas e oportunidades de negócio para sua empresa também seriam perdidas. Seus funcionários, seus fornecedores, seus parceiros, seus clientes, seu público, instituições e até o governo usam as redes sociais para se comunicar também no campo dos negócios. Sem falar que a mídia digital se transformou em uma das melhores maneiras para posicionar sua marca, seja empresarial ou pessoal.

Portanto, abrir mão disso, ainda mais de uma maneira radical, é simplesmente inaceitável. Alguns poderiam até dizer: “ah, mas eu sou o diretor da empresa, posso me dar esse luxo, pois tem gente que faz tudo isso para mim”. É… podem dizer mesmo, mas esses daí inexoravelmente caminham para o ostracismo.

Isso me lembrou de um certo diretor que chegou a uma empresa em que eu trabalhava há uns 15 anos, e não sabia usar e-mail (sim, é verdade). Outros faziam isso para ele, que recebia cópias impressas dos comunicados e ditava as respostas à secretária (sim, também é verdade).

Sabe o que aconteceu com ele? Logo deixou de ser diretor. E deu lugar aos que sabiam fazer.

 

Adaptações neurológicas

Newport pinta um quadro como se as interrupções digitais acontecessem em um volume insano, que simplesmente não nos permitisse nos concentrar. E as coisas não são bem assim, nem mesmo com adolescentes hiperconectados.

Aliás, os mais jovens podem ensinar lições muito importantes nesse quesito aos mais velhos. Por mais que carreguem seus smartphones para todo lugar e aparentarem estar ligados a eles 24 horas por dia, eles não são escravos desses aparelhos ou das redes sociais. Criam suas próprias regras que deixam claro para si mesmos o que é importante e o que é urgente, coisa rara na maioria das empresas. E, na base dessas regras, está não atender a chamadas enquanto estiverem fazendo qualquer coisa que considerem mais importante.

Quem se vê absolutamente compelido a responder todos os estímulos que recebe tem outro tipo de problema, que deve ser tratado com psicólogos. E isso não tem nada a ver com meios digitais.

Você pode dizer então que esse comportamento dos jovens corrobora o que Newport diz. Mas há outras características muito interessantes nessa turma que sugere exatamente o contrário.

A começar porque eles conseguem atingir seus objetivos sem precisar abrir mão do que gostam. É pouco provável que um adolescente diga que deixou sua rede social preferida porque está indo mal na escola: se fez isso, provavelmente foi por pressão dos pais.

Isso acontece porque seus cérebros funcionam de maneira diferente dos mais velhos. Sim, a “atenção residual” também os afeta, porém muito menos. O tempo necessário para que eles estejam totalmente envolvidos com a nova tarefa é muito menor que o para os mais velhos. E isso acontece provavelmente porque, desde pequenos (e cada vez menores), eles estiveram submetidos a todos esses aparelhos e a todos esses estímulos.

A plasticidade de nosso cérebro permite que ele se adapte às necessidades e ao ambiente de cada um. Portanto, jovens que crescem imersos em um “ambiente multitarefa” desenvolvem habilidades para sobreviver nisso, inclusive a de migrar rápida e eficientemente de uma para outra.

Há alguns anos, escrevi um artigo em que questionava pais que deliberadamente restringem o uso de tecnologia a seus filhos, muitas vezes de uma maneira radical. Crianças que perdem essas oportunidades provavelmente não desenvolverão esses recursos neurais. Considerando a sociedade atual, o que será dessas crianças quando chegarem ao mercado de trabalho?

Outro estudo, publicado em 2011 e de autoria de Betsy Sparrow, da Universidade Columbia, sugere que a facilidade de encontrarmos facilmente qualquer coisa na Internet vem modificando nosso cérebro, para que nos tornemos mais eficientes em encontrar o que procuramos. Por outro lado, estaríamos deixando de memorizar informações que podem ser facilmente encontradas, como o número de telefone de familiares próximos.

E como ficam as empresas diante de todas essas novidades?

 

Conflito de gerações?

Esses jovens multitarefa e com seus cérebros adaptados  já estão chegando às empresas, que normalmente são organizadas para pessoas mais “tradicionais”. E, longe de ser um problema, isso pode ser uma grande oportunidade. Desde que os gestores saibam como lidar com isso.

Pessoas de gerações anteriores, cujo cérebro não está preparado para ser multitarefa, podem aprender não apenas a conviver pacificamente com esse novo estilo de vida, com também aprender a tirar proveito dele. Não estou dizendo que passarão a se comportar com a mesma destreza que os mais novos, mas tampouco precisam partir para amputações, como as propostas por Newport.

Da mesma forma, os mais jovens podem aprender com a experiência dos veteranos, inclusive –claro– a se concentrar em tarefas. Essa é uma troca muito rica entre gerações, e não um conflito entre elas!

Como qualquer outra ferramenta, as mídias digitais podem ser usadas de uma maneira construtiva ou negativa. Basta os envolvidos terem disposição e interesse para fazer um bom uso delas. Por isso, não vejo medidas radicais levando a nada de bom: temos que buscar o equilíbrio!


Artigos relacionados:

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: