O que se aprende com a entrevista de um megatraficante a um ator

Sean Penn (à esquerda) aperta a mão de “El Chapo” durante a entrevista - Foto: reprodução

Sean Penn (à esquerda) aperta a mão de “El Chapo” durante a entrevista

A recente entrevista de Sean Penn com o megatraficante “El Chapo” causou enorme gritaria no meio jornalístico, por subverter muitas regras do ofício. Mas qualquer pessoa pode aprender algo com o episódio.

Para quem não sabe do que se trata, a edição do dia 9 da revista RollingStone, famosa pelo noticiário do show biz, trouxe uma bombástica entrevista feita pelo ator americano Sean Penn com o mexicano Joaquín Archivaldo Guzmán Loera, conhecido como “El Chapo”, o maior traficante de drogas da Terra. Ele já havia fugido da prisão duas vezes, mas acabou sendo preso um dia antes de a entrevista ser publicada.

A entrevista a Penn, realizada em outubro, foi a primeira concedida por “El Chapo” desde 1993. Foi também a primeira vez que ele admitiu publicamente qual é seu negócio (naquele ano, disse que era apenas um fazendeiro vítima de um mal-entendido). Mas, apesar de ter um inegável interesse jornalístico, a entrevista não chega a trazer grandes novidades sobre aquele que era o bandido mais procurado do mundo. E aí reside o primeiro motivo para o descontentamento dos jornalistas (vale lembrar: eu sou jornalista).

De fato, as perguntas de Penn foram simples, quase simplórias. Nenhuma delas era contundente, desconfortável, capaz de tirar uma grande revelação do líder do Cartel de Sinaloa. Por isso, li e ouvi muitos colegas dizendo que Penn não se preparou para a entrevista, foi conivente e até egocêntrico. Em nenhum momento o entrevistador colocou o entrevistado na parede. Mas falar é fácil: quem espremeria “El Chapo” em seu próprio quartel-general?

Constatei uma inveja velada em muitos dos detratores de Penn. Afinal, ele conseguiu uma entrevista que muita gente gostaria de ter feito, mas que ninguém teve coragem de buscar, em grande parte pela violência que o narcotráfico mexicano dispensa à imprensa local. Cavou os contatos, especialmente a atriz mexicana Kate del Castillo, uma “amiga” do traficante, que intermediou o encontro. E foi para a boca do leão. Que estava manso, é verdade, mas ainda era um leão com todos os dentes.

Daí vem a segunda cisma: acusam o ator de ter feito uma peça de propaganda e chamado de jornalismo. Isso seria reforçado porque a revista submeteu o texto à pré-aprovação do traficante. As críticas foram mordazes, como se Penn tivesse jogado pedra na cruz. Mas ninguém mencionou que essa prática é mais comum que se admite.

Então o que torna o “crime” do ator pior que o dos jornalistas?

 

O que podemos aprender?

Sean Penn não é um jornalista profissional. É um ator.

Mas o que ele fez foi, sim, jornalismo. Poderia ter sido melhor? Talvez. Mas considero as críticas um tanto exageradas.

Primeiramente porque conseguir a entrevista, a despeito das limitações, foi memorável. E isso só foi possível porque o ator combinou sua reputação com trabalho e coragem, mas também bateu de frente com tabus, como o caso de submeter seu texto a pré-aprovação.

Bancando aqui o papel de “advogado do diabo”, “El Chapo” teria concedido a entrevista se essa exigência não fosse atendida? Além disso, a revista afirma que o traficante não pediu qualquer alteração, mas e se tivesse pedido? Seria o caso de jogar tudo fora para não atender a demanda? É uma questão ética delicada, mas está longe de ser rara, como quer fazer parecer a turma que está batendo o bumbo. Passa a ser uma decisão editorial sacrificar uma parte para salvar o resto, que ainda pode ter um enorme interesse jornalístico.

Profissionais de todas as áreas enfrentam dilemas morais várias vezes em sua carreira. E isso acontece porque somos humanos e não controlamos todas as partes envolvidas no processo, que às vezes têm interesses conflitantes metidos no meio de objetivos comuns.

Para casos como esse, regras surgem para criar zonas de conforto, que tiram dos envolvidos o peso da decisão. Isso pode ser muito perigoso, pois também limita a criatividade e a ousadia para feitos grandiosos. Por isso, não podemos nos submeter cegamente a elas. Isso não quer dizer, de forma alguma, romper com a ética, mas sim analisar os fatos sem a influência da uma maioria acomodada.

Outra coisa que podemos aprender é não nos rendermos ao corporativismo. Muitos colegas também encheram a boca para criticar o texto de Sean Penn, que consideraram de baixa qualidade. É um fato que ele não ganhará o Nobel de Literatura por esse trabalho, mas já vi muitos textos de jornalistas profissionais e formados em faculdades de comunicação que são ainda piores. Muito piores.

Se Sean Penn fosse jornalista, a gritaria teria sido menor? Provavelmente sim, e isso é horroroso!

Se a questão anterior era sensível, essa é o fim da picada!

Vivemos em um mundo em que as formas da aprendizagem e de profissionalização estão sendo subvertidas pela tecnologia e por novas gerações que não aceitam rótulos do que são ou do que podem fazer, ditados por alguém que se ache no direito de apontar o dedo, qualquer que seja seu motivo anacrônico.

Por isso, concluo que Sean Penn é um ator que fez uma incrível reportagem, ofuscando um monte de jornalistas. Esses deveriam parar de rogar praga e tentar aprender algo com esse caso. Todos nós podemos aprender! Pelo menos a agir pensando com nossas cabeças e sem nos escudarmos no corporativismo. O mundo ficará melhor quando todos praticarem isso.

 

Artigos relacionados:

Anúncios

Chafurdar no lixo também rende bom jornalismo

Collor (ao centro, ao lado de Rosane) deixa a Presidência da República, após o Congresso ter votado pelo seu impeachment - Foto: Elza Fiuza/Agência Brasil/Creative Commons

Collor (ao centro, ao lado de Rosane) deixa a Presidência da República, após o Congresso ter votado pelo seu impeachment

Resultados da pesquisa “The American journalist in the digital age” (“O jornalista americano na era digital”), divulgados recentemente por professores da Universidade de Indiana (EUA), revelaram uma inquietante constatação: praticamente metade dos profissionais não usaria documentos confidenciais de empresas ou do governo em uma reportagem importante “sem autorização”. Apesar dos autores sugerirem que isso possa indicar “um jornalismo talvez mais ético”, na prática é um forte golpe no esforço de reportagem, o coração do bom jornalismo.

Infelizmente esse comportamento dos jornalistas americanos pode ser visto crescendo também em outros países, inclusive no Brasil. Não estou defendendo práticas antiéticas, mas, se um jornalista tem acesso a uma informação relevante e de interesse público, ele tem a obrigação de publicá-la. Se ela era confidencial, cabia a seus proprietários protegê-la mais eficientemente. Sem isso, a sociedade estaria nas mãos de desmandos de governantes e de abusos de empresas. E reportagens que marcaram uma época, como o escândalo de Watergate, nunca teriam existido.

A pesquisa me fez lembrar de um caso de fevereiro de 1992, quando Edna Dantas, então repórter da sucursal de Brasília da Folha de S.Paulo, literalmente analisou o lixo da Casa da Dinda, residência do presidente da República da época, Fernando Collor de Mello (que não quis morar nas residências oficiais: o Palácio da Alvorada e a Granja do Torto). O que ela descobriu em documentos sigilosos displicentemente deixados para que os lixeiros recolhessem incluía a escala da segurança do presidente, indicações de que seus textos não eram escritos por ele e até de que as lingeries compradas pela primeira-dama, Rosane, eram pagas com cheques de “fantasmas” e de “laranjas”.

É claro que não foram essas revelações que derrubaram Collor, mas elas serviram para mostrar à população um pouco mais sobre os bastidores de um governo imoral. E elas só vieram à luz pelo faro jornalístico da repórter para encontrar esses documentos confidenciais e pela sua postura de publicá-los.

“Todo governo gostaria de ter uma imprensa dócil”: ouvi isso de meu primeiro editor, lá por 1993. Isso é tão mais verdade, quanto mais o governo tem algo a esconder. Mas a imprensa jamais pode “comer na mão” do poder, pois ela é a única chance de a sociedade saber de coisas contrárias a governos e empresas. Para lhes falar a favor, eles já têm seus bem pagos profissionais de relações públicas, e um caminhão de dinheiro para publicidade, ambos sem nenhum compromisso com a verdade. Sem um jornalismo combativo, continuaríamos achando que a Petrobrás é uma empresa imaculada e um orgulho nacional acima de qualquer suspeita. Bem, ela não é.

Não é de se estranhar, portanto, os acintosos e crescentes mecanismos de controle da imprensa em países cujos governos têm vocação autoritária. Na América Latina, a moda foi lançada pelo finado Hugo Chávez, que destruiu a imprensa livre da Venezuela. Em maior ou menor grau, isso se espalhou com um câncer por toda a região, inclusive no Brasil. Além da histórica violência contra jornalistas, o trabalho da imprensa vem sendo dificultado nos últimos anos por artimanhas judiciais ou pela criação de órgãos de controle. Igualmente grave é a batalha ideológica, que tenta pintar veículos que são contrários ao governo como também contrários à sociedade, ao “povo”. E é exatamente o contrário! Mas o mais desesperador é ver jornalistas acreditando nessa lenga-lenga ideológica e comprando suas ideias nefastas.

Trabalho de jornalista não é fácil. Quem pensa que é uma vida de glamour e pouco trabalho está enganado em ambas as ideias. Profissionais que esquecem que seu objetivo é melhorar a sociedade, oferecendo-lhe informações sobre tudo que acontece nela, mesmo contrárias a interesses, mesmo sigilosas, devem mudar de profissão. E nem uma ideologia pode servir de desculpa.

Morre outra vítima da imprensa

 

Fachada da antiga Escola Base, que foi depredada pela população após denúncias infundadas veiculadas pela imprensa - Foto: reprodução

Fachada da antiga Escola Base, que foi depredada pela população após denúncias infundadas veiculadas pela imprensa

Na quinta, foi divulgada a morte de Icushiro Shimada, ex-dono da Escola Base e vítima de um erro generalizado da imprensa, que destruiu as vidas de sua família e de seus sócios e funcionários. O assunto virou um case que é estudado nas faculdades de jornalismo, mas profissionais e veículos continuam escorregando na ética e publicando denúncias sem a devida checagem. E as redes sociais só fizeram piorar esse comportamento.

Para quem não se lembra, em março de 1994, sócios e funcionários da Escola Base, localizada no bairro da Aclimação (São Paulo), foram acusados por mães de alunos de abusar sexualmente de crianças de um a seis anos de idade. Um laudo não-conclusivo do IML informava que as fissuras eram “compatíveis com ato libidinoso”. Isso foi suficiente para o delegado Edélcio Lemos, responsável pelo caso, convocar a imprensa e botar a boca no trombone, condenando os envolvidos sem qualquer julgamento. Iniciado no Jornal Nacional, o denuncismo se espalhou por toda a imprensa da época, exceto a TV Cultura e o finado Diário Popular, que não embarcaram por acharem que não havia provas.

Capa do extinto Notícias Populares, colocando ainda mais lenha na fogueira, de maneira totalmente irresponsável - Foto: reprodução

Capa do extinto Notícias Populares, colocando ainda mais lenha na fogueira, de maneira totalmente irresponsável

Graças ao noticiário, a escola e as casas dos acusados foram depredadas e saqueadas pela população. Eles faliram e tiveram que se mudar, pois chegaram a ser ameaçados de morte em telefonemas anônimos. Porém, quando a investigação foi concluída, “surpresa” geral: nunca houve qualquer tipo de molestamento sexual às crianças. As tais fissuras encontradas eram causadas apenas por diarreia. Mas o estrago já estava feito e os acusados para sempre foram condenados pela imprensa, por mais que tenham sido inocentados pela Justiça. Pediram indenizações do Estado e de veículos de mídia; algumas delas foram pagas depois de longos recursos, outras ainda não. Shimada morreu pobre, vítima de um infarto no último dia 16 de abril, assim como sua mulher, que morreu de câncer em 2007.

O comportamento profissional irresponsável e vergonhoso desse caso deveria ser suficiente para que casos assim não voltassem a acontecer. Não me refiro apenas a algo com essa magnitude, que não acontece tanto (mas desgraçadamente ainda acontece), mas também a falhas supostamente menores (mas não menos antiéticas) que estão no noticiário todos os dias.

A busca pelo “furo”, uma notícia exclusiva capaz de aumentar a audiência de um veículo, é como uma corrida por uma medalha de ouro. É legítima e bem-vinda. Mas não pode ser justificativa para atropelos. Mas é justamente isso que acontece: tudo parece ter virado uma “fonte confiável”. E, quando a blogosfera explodiu, lá pelo ano 2000, veículos começaram a usar até blogs obscuros como fonte. À medida que as redes sociais ficaram mais importantes, elas começaram a ocupar esse espaço.

Um caso recente que ilustra bem isso foi o do tal jornalista dinamarquês que teria vindo ao Brasil para cobrir a Copa do Mundo, mas “desistiu de seu sonho” e voltou para seu país depois de se deparar com as nossas mazelas sociais. Esse assunto resultou em longos debates no Facebook (até aí, tudo bem) e chegou a pautar vários veículos, que compraram a historinha como verdade (aí tudo mal!) e publicaram vários artigos (inclusive algumas toscas bravatas nacionalistas). Mas a história não era séria (pelo menos, não totalmente): um resumo da confusão pode ser visto neste post (que, por sinal, teve que ser atualizado após a publicação).

Pressões por dar logo uma notícia, especialmente quando ela é bombástica, sempre existiram, e muitas vezes vêm de fora da Redação. Quando seus concorrentes já estão falando no assunto, fica ainda pior, principalmente em veículos em tempo real, como a mídia online, a TV e o rádio. Mas essa pressão não pode servir de muleta para deslizes. Isso foi muito bem explorado no trecho abaixo, da série da HBO “The Newsroom”:

 

 

Como dizia Gabriel García Márquez, “a pressa é ingrediente desse ofício”, assim como a pressão. Quem não consegue realizá-lo eticamente nessas condições não está apto para o jornalismo. Se a imprensa continuar realizando seu trabalho dessa forma, acabará vítima de si mesma.

A falta de inovação do Mídia Ninja

 

Bruno Torturra e Pablo Capilé, no Roda Viva do último dia 5 - Foto: Reprodução

Bruno Torturra e Pablo Capilé, no Roda Viva do último dia 5

Desde as megamanifestações que sacudiram o Brasil em junho, muito se fala sobre o Mídia Ninja, um grupo de jornalismo que tem sido incensado como revolucionário em seus formatos editoriais e de financiamento. Cheguei até a ter a esperança de que a cambaleante “mídia tradicional” poderia aprender algo com eles. Mas acabei concluindo que, na verdade, as propostas dos Ninjas não têm nada de inovadoras.

Os líderes do movimento, Bruno Torturra e Pablo Capilé, tentaram explicá-las no Roda Viva do último dia 5. Durante grande parte do programa, os entrevistadores se concentraram em como o movimento se financia, e não faltaram sugestões de que os Ninjas seriam, na verdade, aparelhados pelo PT. Não entrarei aqui na questão política: quero debater o que eles estão trazendo para o jornalismo.

Assistindo à entrevista, concluí que a o movimento está infelizmente muito longe de um caminho viável. Suas propostas me lembraram de visões românticas e às vezes inocentes típicas das start-ups de tecnologia que naufragam com uma boa ideia nas mãos.

A principal falha na proposta dos Ninjas é depositar pesadamente no público a responsabilidade pelo financiamento da produção jornalística. Curiosamente isso não é diferente do que propõem os donos dos grandes veículos, principalmente da mídia impressa, que vem sofrendo de maneira mais dramática com o naufrágio do seu modelo de negócios.

Claro que o ideal é que qualquer jornalismo seja financiado pelo seu próprio público, quanto mais, melhor. Assim garante-se um dos valores mais caros da atividade, que é a sua independência. Mas, como disse acima, calcar seu modelo de negócios nisso demonstra que os Ninjas terão que mudar de ideia rapidamente se não quiserem desaparecer. E o próprio Bruno admitiu no programa que só pensará em vender anúncios a empresas, quando “o dinheiro público, DO público (ops, a falta inicial dessa contração foi um ato falho?) fracassar”. Oras, é um modelo que então já prevê o seu fracasso?

Essa tentativa de convencer o público de canais online a pagar pelo conteúdo já vem sendo tentado de diferentes maneiras há uma década por gente muito boa (dos pontos de vista tecnológico e jornalístico), sem sucesso. As pessoas estão dispostas a pagar sim pelo que consomem, mas está cada vez mais difícil convencer alguém a pagar pelo conteúdo em si: elas pagam quando ele faz parte de algo maior, de um serviço que transcende o jornalismo na maneira como ele se insere em suas vidas.

A incapacidade de entender isso é o que está matando, por exemplo, os jornalões, que veem seus assinantes e anunciantes diminuindo continuamente. Mas eles ainda têm algo nas mãos, pois partiram de um grande volume construído historicamente. No caso dos Ninjas, que estão partindo do zero, correm o risco de fazer um “microjornalismo” para 300 ou 400 pessoas, como os shows dos artistas incubados pelo Fora do Eixo, movimento irmão do Mídia Ninja focado em atividade artísticas. Nesse caso, perdem outro valor importante para o jornalismo, que é a representatividade social. Não se faz jornalismo apenas para seus colegas, para quem pensa igual a você ou para quem já conhece a história: jornalismo deve ser feito de maneira ampla, para a sociedade.

Jornalista cidadão

Os Ninjas se apoiam em uma meia verdade, quando dizem que é possível fazer jornalismo com baixos custos. A parte em que isso é verdade acontece justamente em coberturas como as realizadas nas manifestações de junho, que tornaram o grupo famoso. Nesse caso, basta sem a pessoa certa, no lugar e na hora certos. Com celulares, é possível sim fazer esse tipo de bom jornalismo a um custo baixo.

O melhor exemplo disso para mim não é de hoje e nem é dos Ninjas. Ele aconteceu em 26 de dezembro de 2004, após o tsunami que devastou o sudeste asiático, principalmente a Indonésia. Naquele desastre, alguns sobreviventes realizaram uma grande cobertura jornalística usando seus celulares (que eram muito mais primitivos que os atuais), praticamente a única coisa que continuou funcionando após a tragédia. A grande mídia demorou incrivelmente um par de dias para perceber o que havia acontecido naquele lado do mundo, desembarcando atrasada (e em massa) para sua cobertura, como a cavalaria chegando e tocando sua corneta, depois que pioneiros e índios já tivessem se massacrado.

E justamente aí reside a metade falsa da premissa do movimento. Sim, tanto os Ninjas nas manifestações de junho, quanto os sobreviventes do tsunami realizaram uma cobertura de qualidade a custos baixos. Mas e se ninguém tivesse feito isso naquele 2004 indonésio e restasse à grande mídia executar essa tarefa, ainda que tardiamente? Custa muito dinheiro mobilizar rapidamente uma grande equipe e enviá-la ao outro lado do mundo para fazer jornalismo. E isso acabou acontecendo em um segundo momento, de maneira complementar ao trabalho inicial dos sobreviventes.

Vale ressaltar outra diferença entre o Mídia Ninja e iniciativas típicas de jornalismo cidadão, como no caso do tsunami de 2004. Os Ninjas querer fazer parte da noticia, ao invés de noticiá-la. Isso ficou claro quando seus líderes disseram no Roda Viva que filmaram detalhes das manifestações e fizeram entrevistas específicas para deliberadamente proteger os manifestantes.

Não há nada de errado em se fazer isso, desde que seja como manifestante, e não como jornalista. Nesse segundo caso, deve-se fazer a sua cobertura para apurar os fatos, e eles sempre têm muitos lados. Por mais que odeiem os policiais que estavam descendo a borracha nas pessoas, eles devem ser ouvidos para que deem a sua versão dos acontecimentos. Assim como os manifestantes pacíficos, os black blocs, os políticos, o cidadão que estava lá só de passagem. Todos eles têm sua versão dos mesmos fatos, e devem ser ouvidos. Sem isso, o público, mal informado, se afasta da verdade, e o trabalho vira antijornalismo.

A contribuição dos Ninjas

Então o Mídia Ninja não inova em nada? Penso que não. Mas eles trouxeram sim uma importante contribuição. Não por terem inventado algo novo, mas por terem resgatado um princípio importantíssimo do jornalismo que anda meio esquecido nas grandes redações e que a nova geração de colegas pouco viu: uma reportagem destemida, que, para apurar uma notícia, vai até o fim, pensa de maneira criativa e até impertinente, e que não se deixa intimidar.

Incentivados por uma política de redução de custos que prefere que os jornalistas saiam pouco das Redações, os grandes veículos se transformaram em espaços de denuncismo, insuflados por fontes com interesses nem sempre nobres ou confiáveis. E essa prática condenável divide o espaço com um jornalismo chapa-branca, com pautas políticas ou empresariais sonolentas, com uma mesmice chata e acomodada. Até a opinião dos veículos, fora de assuntos políticos, parece anêmica.

A chamada “grande imprensa” deveria prestar atenção a essa turma que “vai para cima” apenas com um celular na mão. Não para desprezar os seus erros, mas para resgatar com eles o que perderam ao longo dos anos. E –sim– se reinventar.

Nesse caso, um novo, sério e robusto jornalismo poderia surgir das cinzas do cruzamento dos veículos centenários e dessa nova turma. Se isso acontecer, o Mídia Ninja terá dado a sua contribuição à sociedade, afinal.

Em terra de cego, quem é tolo é rei

Precisamos de mais tolos. De idealistas. De jornalistas. Arrisco a dizer que uma pessoa desprovida de idealismo jamais será um jornalista. E a sociedade depende dessas pessoas.

Nesta semana, a série da HBO The Newsroom (sem título em português) chegou ao final de sua primeira temporada com o episódio “The Greater Fool”. Não pretendendo fazer uma sinopse do capítulo, o tolo em questão seria o protagonista Will McAvoy, âncora do telejornal News Night, que, na ficção, foi capa da New York Magazine com essa alcunha.

“Greater fool” é o nome de uma teoria econômica que diz que alguém pode lucrar com algo por que pagou caro, desde que ache um tolo maior (daí o nome) para vender por ainda mais dinheiro. Ou seja, não haveria problema em pagar mais que o devido por algo, desde que se lucrasse em cima de um otário depois. Por conta disso, McAvoy, que lutou uma guerra pessoal ao longo da temporada para fazer jornalismo de qualidade, fica deprimido com a reportagem, pois entende que sua cruzada não foi convincente.

Mas há outra interpretação dessa teoria: o maior tolo seria alguém que equilibre idealismo e confiança para ter sucesso onde outros falharam. Ele percebe então que, de fato é o “greater fool”, mas não como pensava.

Felizmente. Em sua quixotesca jornada, ele não foi perfeito. Mas persistiu com o que acreditava, por mais que aparecessem obstáculos, muitos deles plantados pela própria empresa para a qual trabalha. Ganhou o jornalismo, seu público e seu país. Afinal, como lhe diz sua repórter de economia, “esse país foi criado por ‘maiores tolos’.”

É para se pensar. Há exatos dois meses, também falei da série, na sua estreia, propondo um debate sobre como se pode fazer jornalismo sério e de qualidade mesmo em um momento em que tudo parece jogar contra. Mas não dá para fazer isso ser sem idealista, sem ser tolo, sem insistir em algo em que ninguém mais aposta.

Imagino que esse sentimento impulsione pelo menos parte dos jovens que ainda buscam a faculdade de Jornalismo, mesmo com a queda da exigência do diploma para exercer a profissão. É a tal “síndrome de Clark Kent”. Pena que boa parte deles perde essa chama primordial ainda antes de se formar. Deveriam fazer um favor a si mesmos e à sociedade e procurar outra carreira.

Não quero menos jornalistas: quero mais! Essa é uma profissão apaixonante e que nos consome com nosso consentimento.

Não sou o único a pensar assim: Gabriel García Márquez fez um famoso discurso na 52ª assembleia da Sociedade Interamericana de Imprensa, em 1996, onde descreve aquele que chama de “melhor ofício do mundo” com sua maestria peculiar. Assim conclui:

“O jornalismo é uma paixão insaciável que só pode se digerir e se humanizar pelo seu confronto gritante com a realidade. Ninguém que não o tenha experimentado pode imaginar essa servidão que se alimenta dos imprevistos da vida. Ninguém que o não tenha vivido pode sequer conceber o que é a palpitação sobrenatural da notícia, o orgasmo da primeira página, a demolição moral do fracasso. Ninguém que não tenha nascido para isso e esteja disposto a viver só para isso poderia persistir em um ofício tão incompreensível e voraz, cuja obra termina depois de cada notícia, como se fosse para sempre, mas que não dá um momento de paz até que comece novamente com mais ardor que nunca no minuto seguinte”.

García Márquez estava certo. E McAvoy também.

Jornalismo de verdade na ficção

Nesta semana, a série The Newsroom (sem título em português) estreou na HBO. Fiquei bem impressionado com o que vi: uma pequena aula de jornalismo sério em meio à dramaturgia de um seriado que pretende mostrar as histórias e as pessoas por trás de um telejornal. Se você perdeu o primeiro episódio, pode assisti-lo na íntegra online.

Não pretendo fazer aqui uma sinopse, mas devo dizer que, assim como a série In Treatment tinha um óbvio apelo a um público formado por psicólogos, The Newsroom deve agradar em cheio a jornalistas e a qualquer pessoa que se interesse pela indústria da notícia. E isso porque ela desmitifica a imagem criada em torno dos jornais e das pessoas. Mostra que a coisa vai muito além daquela piadinha dos coleguinhas que sugere que o William Bonner fica de cueca por trás da bancada do Jornal Nacional.

A primeira cena da série, reproduzida acima, já é um tapa na cara dado pelo ranzinza âncora Will McAvoy, protagonista da série. Mas o episódio fica bom mesmo a partir do meio, quando Jim, um produtor recém-chegado, recebe uma notícia bombástica de duas fontes. E, apesar da resistência explícita de Don, o produtor executivo que estava deixando o programa, ele vende a pauta para McAvoy, totalmente calcado em fatos. E o âncora compra a ideia e a matéria vai ao ar.

Don representa o que se vê por aí nas redações –de todas as mídias– ultimamente: um profissional acomodado em realizar o seu trabalho com o uso da tecnologia e outros facilitadores, e acovardado de apostar em uma pauta grandiosa. Seu faro jornalístico é limitado por uma forma de atuação aplaudida pelas empresas de mídia preocupadas em cortar custos, em que repórteres ficam presos nas redações, fazendo entrevistas por telefone ou –pior ainda– por e-mail. Mais que isso: amedrontados que um eventual erro lhes custe o pescoço e, dessa forma, preferem a segurança da mesmice e do óbvio. Não é de se admirar que os furos jornalísticos estejam cada vez mais raros e sem graça.

Jornalismo não é isso! Jornalismo é a combinação de inteligência, perspicácia, trabalho duro, relacionamento e –sempre– coragem. Jim Harper e Will McAvoy demonstraram isso no episódio. Isso deveria ser ensinado nas faculdades de jornalismo.

Na verdade, o episódio me lembrou uma aula específica de Ética há uns dez anos, ministrada por Jorge Tarquini (@JorgeTarquini), um dos melhores professores que eu tive (considerando as faculdades de Engenharia e de Jornalismo). Em determinado momento da aula, um colega se posicionou dizendo que “jornalista que quer manter o emprego” escreve apenas e sempre e do jeito que a chefia manda, que a liberdade de imprensa só funciona para o dono do jornal. Essa frase, digna de Assis Chateaubriand, não me passou pela garganta. Afinal, eu já estava no mercado há dez anos, e já tinha passado pela Folha, que os colegas adoram criticar por supostamente ter um jornalismo “pasteurizado”. E nunca fiz isso.

Seguiu-se um acalorado debate na aula. Não sei se consegui convencer o colega que o que ele tinha dito era uma tremenda bobagem: essa visão derrotista infelizmente se espalha como um vírus já entre os alunos de jornalismo. Quase sempre, o vírus mata o jornalista que cada um poderia se tornar. Felizmente, a ética, a moral e a coragem de alguns liquidam o vírus.

As faculdades de jornalismo, que sofrem com o fim da obrigatoriedade do diploma para exercer a profissão, deveriam criar cadeiras de “coragem jornalística”. É possível –sim– fazer excelente jornalismo mesmo em ambientes hostis e competitivos. Precisamos de mais Jim Harpers.

%d blogueiros gostam disto: