A reputação digital pode promover ou arruinar sua carreira e seu negócio: saiba como conquistá-la

Imagem: reprodução

Você fez o que lhe disseram para fazer para sua careira ou seu negócio decolar nos meios digitais: montou um site moderno e amigável, criou perfis em várias redes sociais e faz muitas publicações neles, paga campanhas de marketing online… Talvez até tenha um aplicativo para smartphones só seu! Mesmo assim, o retorno não vem: parece que ninguém percebesse a sua existência. O que pode estar errado?!?!

O problema é que ter uma boa presença digital, como explicado acima, já não é mais suficiente. Com o barateamento dos custos e a melhoria nas ferramentas, qualquer um pode fazer tudo isso. E acredite: tem um monte de gente fazendo! Então, trocou-se a dificuldade de se diferenciar no mercado físico por uma dificuldade de se diferenciar no mercado digital.

A solução para fugir desse mar de mesmice é desenvolver outra característica: a reputação digital. Ontem realizei uma transmissão ao vivo no Facebook (um Facebook Live) sobre o tema. Caso queira também ver sua íntegra, ela está logo abaixo (47 minutos):


Vídeo relacionado:


Reputação –digital ou qualquer outra– não é algo que pode ser comprado. Ela precisa ser conquistada. E isso só acontece quando o profissional ou a empresa começam a se relacionar genuinamente, demonstrando empatia verdadeira com seu público. Pode parecer óbvio –e, de certa forma, é mesmo. Mas, como tantas outras obviedades da vida, ela é muito conhecida e pouco praticada.

Acontece que a maioria continua fazendo marketing como nos anos 1980. As faculdades –e até cursos de pós-graduação– ainda se dedicam a ensinar o conceito dos “4 Ps do marketing” (Produto, Preço, Praça, Promoção). Ou seja, manipulando essas quatro variáveis você supostamente conseguiria posicionar bem qualquer coisa no mercado.

No final das contas, quem acaba, de certa forma, sendo manipulado é o consumidor. As campanhas de marketing tentam empurrar goela abaixo do público sua mensagem, na expectativa que as pessoas mordam a isca e paguem pelo produto.

Mas Kotler, já no final do século XX, dizia que esse formato começava a se esgotar, que as empresas precisavam criar maneiras alternativas de se posicionar, parando de empurrar a sua mensagem e criando algo que fizesse com que as pessoas quisessem vir até a empresa espontaneamente.

O guru máximo do marketing disse isso uns dez anos antes do surgimento das primeiras redes sociais. Agora, com esses sistemas praticamente onipresentes no cotidiano das pessoas e das empresas, algo incrível aconteceu.

As pessoas ganharam voz e, com isso, muito poder.

 

De público a fã

Se desde os tempos de Orson Welles, as pessoas acreditavam muito facilmente no que a mídia dizia, as coisas têm mudado dramaticamente, especialmente nos últimos dez anos. A explosão do uso de smartphones e a virtual onipresença das redes sociais foram fatores decisivos para isso, pois o acesso e o compartilhamento de  informações têm crescido freneticamente.

Além disso, as pessoas agora têm capacidade de publicação que rivaliza, em alguns aspectos, com o que antes se via apenas na grande imprensa. Isso tirou o público de sua situação de passividade, colocando-o no centro das ideias. Mas a maioria dos profissionais (que curiosamente constituem o mesmo grupo citado no parágrafo anterior) e das empresas ainda tem dificuldade de perceber isso, insistindo em manter seu público fora da conversa, na velha posição de passividade.

Grande erro! Ao fazer isso, perdem justamente a melhor oportunidade que têm de se diferenciar na mesmice de ofertas e concorrentes.

Claro que qualquer um pode criar sofisticadas (e caras) campanhas de marketing para promover sua marca e aumentar suas vendas: nenhum problema nisso. Mas, como dito anteriormente, isso não gera reputação, ela não pode ser comprada. Quando acaba o dinheiro do marketing, o residual pode ser decepcionante, especialmente diante de concorrentes mais modernos e ágeis.

É preciso transformar o público em admiradores e até em fãs: nessa hora, o caminho para consolidar uma boa reputação está aberto. Mas ainda há algo mais a fazer.

Você precisa conversar com as pessoas.

 

De fã a amigo

Profissionais e empresas precisam aprender a conversar com seu público, principalmente com aqueles que já gostam do que eles fazem. E, como explicado acima, as pessoas querem falar. Mais que isso: querem ser ouvidas e respondidas! Querem, mas como isso ainda é algo raro, não esperam. Isso abre uma oportunidade de ouro para quem a souber aproveitar.

Justamente por essa tradicional apatia empresarial, que plantou uma baixa expectativa entre os clientes, quando alguém recebe uma resposta, chega a ser quase uma surpresa. Afinal, alguém do outro lado investiu seu tempo para escrever algo. Infelizmente, na maioria das vezes, essa resposta não atende as expectativas de cliente, por ser burocrática e fria. E aí vem a dica de ouro: dê adeus às respostas prontas e automatizadas.

Se receber uma resposta –qualquer uma- já traz uma boa sensação à pessoa, receber uma resposta que genuinamente demonstra interesse no que foi dito, propondo uma solução, uma opinião, ou até mesmo um singelo agradecimento pode ter um efeito incrível!

“Empatia”, “gentileza”, “honestidade” são palavras poderosíssimas, capazes de fazer toda a diferença no posicionamento de qualquer um, seja no meio digital ou não. Portanto, invista nisso! Tenha pessoas inteligentes, com a mente aberta e um bom coração prontas para se relacionar com seu público: ele reage muito bem a pessoas assim.

Quando se chega nesse ponto, o profissional ou a empresa mudam de patamar. Seu público seus clientes se transformam em fãs, em alguns casos (quando se trata de profissionais) até mesmo em amigos. E essas pessoas ficarão felizes não apenas de comprar seu produto, como também de compartilhá-lo com sua rede.

É importante que fique claro que isso não pode ser uma manipulação maquiavélica, nada de ser bacana esperando algo em troca desde o começo. As pessoas percebem a diferença. E gentileza deve ser dada de graça, para que o retorno seja positivo.

Acha que isso é inviável? Pois saiba que eu sou um case para mim mesmo. No momento em que estou escrevendo isso, tenho quase 148 mil seguidores no LinkedIn, com uma taxa de crescimento de mil novos por dia. Antes do fim da semana, chegarei a emblemática marca de 150 mil. Além disso, em dezembro tive a alegria de ser considerado o sétimo brasileiro com mais destaque na mesma rede, pelo prêmio LinkedIn Top Voices. Isso foi conquistado sem investir um único centavo: é fruto do meu desejo de compartilhar ideias e ajudar as pessoas na própria rede, seja com artigos como esse, seja respondendo a todos os comentários e mensagens que recebo.

Isso consome muito tempo? Razoavelmente: aproximadamente uma hora por dia. Eu mesmo faço isso, pois quero ter o prazer de conversar com as pessoas. Como se pode ver, longe de ser algo humanamente impossível.

O que eu ganho com isso? Mais que milhares de seguidores, eu construí uma rede de pessoas que –acredito– gostem do que eu faço. Elas me ajudaram a construir e agora me ajudam a manter essa minha reputação digital. Isso me tira do mar da mesmice de concorrentes, me dá uma posição de destaque. E, dessa forma, quando eu promovo algum serviço meu, as vendas acontecem de uma maneira muito mais fácil e natural.

Portanto, quer ver seu investimento nos meios digitais dar retorno? Comece a fazer amigos.


Artigos relacionados:

Dá para pular de cabeça no trabalho? Ou isso é coisa de “velho”?

Foto: Neil Moralee/Creative Commons

A publicação de um livro promete esquentar o debate sobre se redes sociais ajudam ou atrapalham no trabalho. Mais que isso, reabre discussões como se apenas é possível conseguir bons resultados concentrando-se totalmente nas tarefas ou ainda o choque de gerações no uso dos meios digitais como ferramenta de produtividade.

Seu título é “Deep Work: rules for focused success in a distracted world” (“Trabalho Profundo: regras para sucesso focado em um mundo distraído”, em uma tradução livre, pois ainda não foi lançado no Brasil), do pesquisador Cal Newport, da Universidade de Georgetown (EUA). Segundo sua teoria, as constantes distrações de inúmeras ferramentas digitais criam o que ele chama de “shallow work” (ou “trabalho raso”), de má qualidade e pouco produtivo.


Vídeo relacionado:


Para justificar sua tese, Newport usa o conceito de “atenção residual”, uma característica de nosso cérebro que faz com que, ao mudarmos de uma tarefa para outra, parte da nossa atenção permanece na tarefa original. Oras, se os estímulos digitais estão constantemente competindo por nós, isso seria levado às últimas consequências, impedindo que consigamos nos concentrar efetivamente em algo (no caso, no trabalho) e, dessa forma, obter um bom resultado dele.

O que ele propõe para resolver isso? Limitar dramaticamente o uso da tecnologia digital.

Em um primeiro momento, a teoria de Newport parece bastante razoável. Afinal, não precisa ser gênio para compreender que constantes interrupções minam a produtividade de qualquer um. Mas ele escorrega ao supor que todo mundo funcione da mesma maneira, e ao radicalizar na possível solução.

É claro que passar o dia no Facebook ou no WhatsApp trará prejuízos ao trabalho de qualquer um, não pelo impacto da “atenção residual”, mas também pelo tempo gasto nas interações nas redes sociais, que supostamente deveria estar sendo dedicado ao trabalho. Isso não se discute!

Mas muita calma nessa hora!

 

Suicídio digital?

Isso é muito diferente de simplesmente sumir das redes sociais. A menos que você seja um ermitão, que more isolado da sociedade e supra todas as suas necessidades sozinho (e aposto que você não é), você não pode ignorar as redes sociais. pelo simples fato que AS PESSOAS ESTÃO LÁ! Não estou dizendo que você precisa participar de todas as redes da moda, mas pelo menos aquelas que têm relação com o que você é e faz.

Como sugere Newport, esse quase suicídio virtual lhe pouparia um precioso tempo que poderia ser aproveitado em outras tarefas, inclusive no trabalho. Mas, ao contrário do que sugere o autor, você perderia, sim, muitas coisas importantes.

Não apenas você pode começar a ser visto como “o estranho da família que nunca sabe o que está acontecendo”, como perder dinheiro. Como profissional, você simplesmente desapareceria para o mercado, e dificilmente seria cogitado para vagas de trabalho, pois as redes sociais se transformaram em ferramentas essenciais para recrutadores e headhunters. Se não puder ser visto, essas pessoas jamais saberão de sua existência.

Da mesma forma, informações críticas e oportunidades de negócio para sua empresa também seriam perdidas. Seus funcionários, seus fornecedores, seus parceiros, seus clientes, seu público, instituições e até o governo usam as redes sociais para se comunicar também no campo dos negócios. Sem falar que a mídia digital se transformou em uma das melhores maneiras para posicionar sua marca, seja empresarial ou pessoal.

Portanto, abrir mão disso, ainda mais de uma maneira radical, é simplesmente inaceitável. Alguns poderiam até dizer: “ah, mas eu sou o diretor da empresa, posso me dar esse luxo, pois tem gente que faz tudo isso para mim”. É… podem dizer mesmo, mas esses daí inexoravelmente caminham para o ostracismo.

Isso me lembrou de um certo diretor que chegou a uma empresa em que eu trabalhava há uns 15 anos, e não sabia usar e-mail (sim, é verdade). Outros faziam isso para ele, que recebia cópias impressas dos comunicados e ditava as respostas à secretária (sim, também é verdade).

Sabe o que aconteceu com ele? Logo deixou de ser diretor. E deu lugar aos que sabiam fazer.

 

Adaptações neurológicas

Newport pinta um quadro como se as interrupções digitais acontecessem em um volume insano, que simplesmente não nos permitisse nos concentrar. E as coisas não são bem assim, nem mesmo com adolescentes hiperconectados.

Aliás, os mais jovens podem ensinar lições muito importantes nesse quesito aos mais velhos. Por mais que carreguem seus smartphones para todo lugar e aparentarem estar ligados a eles 24 horas por dia, eles não são escravos desses aparelhos ou das redes sociais. Criam suas próprias regras que deixam claro para si mesmos o que é importante e o que é urgente, coisa rara na maioria das empresas. E, na base dessas regras, está não atender a chamadas enquanto estiverem fazendo qualquer coisa que considerem mais importante.

Quem se vê absolutamente compelido a responder todos os estímulos que recebe tem outro tipo de problema, que deve ser tratado com psicólogos. E isso não tem nada a ver com meios digitais.

Você pode dizer então que esse comportamento dos jovens corrobora o que Newport diz. Mas há outras características muito interessantes nessa turma que sugere exatamente o contrário.

A começar porque eles conseguem atingir seus objetivos sem precisar abrir mão do que gostam. É pouco provável que um adolescente diga que deixou sua rede social preferida porque está indo mal na escola: se fez isso, provavelmente foi por pressão dos pais.

Isso acontece porque seus cérebros funcionam de maneira diferente dos mais velhos. Sim, a “atenção residual” também os afeta, porém muito menos. O tempo necessário para que eles estejam totalmente envolvidos com a nova tarefa é muito menor que o para os mais velhos. E isso acontece provavelmente porque, desde pequenos (e cada vez menores), eles estiveram submetidos a todos esses aparelhos e a todos esses estímulos.

A plasticidade de nosso cérebro permite que ele se adapte às necessidades e ao ambiente de cada um. Portanto, jovens que crescem imersos em um “ambiente multitarefa” desenvolvem habilidades para sobreviver nisso, inclusive a de migrar rápida e eficientemente de uma para outra.

Há alguns anos, escrevi um artigo em que questionava pais que deliberadamente restringem o uso de tecnologia a seus filhos, muitas vezes de uma maneira radical. Crianças que perdem essas oportunidades provavelmente não desenvolverão esses recursos neurais. Considerando a sociedade atual, o que será dessas crianças quando chegarem ao mercado de trabalho?

Outro estudo, publicado em 2011 e de autoria de Betsy Sparrow, da Universidade Columbia, sugere que a facilidade de encontrarmos facilmente qualquer coisa na Internet vem modificando nosso cérebro, para que nos tornemos mais eficientes em encontrar o que procuramos. Por outro lado, estaríamos deixando de memorizar informações que podem ser facilmente encontradas, como o número de telefone de familiares próximos.

E como ficam as empresas diante de todas essas novidades?

 

Conflito de gerações?

Esses jovens multitarefa e com seus cérebros adaptados  já estão chegando às empresas, que normalmente são organizadas para pessoas mais “tradicionais”. E, longe de ser um problema, isso pode ser uma grande oportunidade. Desde que os gestores saibam como lidar com isso.

Pessoas de gerações anteriores, cujo cérebro não está preparado para ser multitarefa, podem aprender não apenas a conviver pacificamente com esse novo estilo de vida, com também aprender a tirar proveito dele. Não estou dizendo que passarão a se comportar com a mesma destreza que os mais novos, mas tampouco precisam partir para amputações, como as propostas por Newport.

Da mesma forma, os mais jovens podem aprender com a experiência dos veteranos, inclusive –claro– a se concentrar em tarefas. Essa é uma troca muito rica entre gerações, e não um conflito entre elas!

Como qualquer outra ferramenta, as mídias digitais podem ser usadas de uma maneira construtiva ou negativa. Basta os envolvidos terem disposição e interesse para fazer um bom uso delas. Por isso, não vejo medidas radicais levando a nada de bom: temos que buscar o equilíbrio!


Artigos relacionados:

Pare de se SABOTAR e comece a INOVAR!

O incrível e maluco Dr. Emmett Brown (Christopher Lloyd, à esquerda) tenta usar uma invenção em Marty McFly (Michael J. Fox), no filme “De Volta para o Futuro” – Imagem: divulgação

O incrível e maluco Dr. Emmett Brown (Christopher Lloyd, à esquerda) tenta usar uma invenção em Marty McFly (Michael J. Fox), no filme “De Volta para o Futuro”

Inovar se tornou um mantra para sucesso de empresas e na carreira. Algumas das companhias mais admiradas do mundo –como Google, Apple, Facebook, Microsoft– são reconhecidas pela constante inovação, e seus funcionários parecem ter essa capacidade em seu DNA. Mas se inovar goza desse consenso, por que vemos tão poucas empresas e profissionais inovando?

A resposta é simples, porém dura: nós inovamos pouco porque nós nos sabotamos o tempo todo! Não porque ficamos malucos ou masoquistas, mas porque o nosso sistema de ensino forma, ano após ano, jovens com uma visão de mundo que talvez ainda funcionasse bem há uns 50 anos, mas que hoje freia a evolução de cada um de nós.


Vídeo relacionado:


Aprendemos a valorizar conquistas do passado, tradição e solidez de marcas e empresas e a tentar proteger ganhos existentes. Damos enorme atenção à “cash cow”, mesmo quando ela estiver cercada de vários bezerrinhos promissores. Afinal é ela quem dá o leite, até para os tais filhotes.

Nada mais equivocado! Era assim que a Kodak pensava: afinal tinha uma vaca muito gorda e bem estabelecida nos filmes fotográficos. Nunca deu muita bola para aquele bezerro da fotografia digital, que nasceu meio desengonçado no seu próprio curral.

Mas o bezerro renegado cresceu e engoliu a Kodak com leite!

 

Competitividade X inovação

Nossa educação também nos ensina a sermos muito competitivos, de preferência os melhores da sala, da escola. Quando deixamos os bancos escolares, continuamos querendo ser os melhores, inclusive os melhores da empresa. Muitos de nós podemos achar isso bacana, mas essa prática embute algo terrível para o processo de inovação: se estivermos muito ocupados sendo competitivos, esqueceremos de sermos colaborativos.

Grandes ideias cada vez mais são resultado do trabalho de muitas mentes e muitas mãos. Por mais que exista um gênio criativo, sempre existe alguém para complementar suas habilidades. Mesmo nas megacompanhias acima, as grandes ideias vieram de duplas (apoiadas por seus times): respectivamente Larry Page e Sergey Brin, Steve Jobs e Steve Wozniack, Mark Zuckerberg e (heh!) Eduardo Saverin, Bill Gates e Steve Ballmer.

Há ainda uma terceira e perversa característica que nossas escolas plantam em nossos corações para que nos sabotemos mais tarde: a Intolerância a falhas. Em sistemas de avaliação compostos de provas e trabalhos que punem severamente os erros com a perda de nota, os estudantes aprendem a não ousar, pois isso aumenta implicitamente a chance de cometer algum deslize. Ao invés disso, procuram fazer apenas o essencial e “seguro” para garantir a aprovação. Não precisa ser gênio para perceber que isso envenena as sementes da inovação no momento em que elas cogitavam germinar.

O guru da administração Tom Peters costuma dizer que “o fracasso é uma medalha de honra”, pois ele demonstra que se tentou. E conclui: a única maneira de não fracassar em algo é não tentar. Mas essa também é a garantia de que não se atingirá o sucesso em nada.

Então como podemos inovar diante de um cenário desses?

 

Olhe para frente!

Conduzir um negócio ou a própria carreira dessa forma é como dirigir um carro olhando para o retrovisor. Confiamos no que já passou e esquecemos de olhar para onde realmente importa: a estrada à nossa frente.

Os pontos negativos citados acima precisam ser substituídos por coragem, curiosidade e a vontade de aprender! Ou seja, temos que cortejar a vontade de correr riscos, pois “o fracasso é ingrediente do sucesso”, novamente citando Peters.

Todos nós já passamos por isso, especialmente na nossa infância e adolescência. Quem não se lembra daquele frio na barriga, misto de medo e excitação, antes de entrar em uma montanha russa pela primeira vez? Ou antes do primeiro beijo? É verdade que muitos acabaram desistindo na primeira vez, talvez até nas seguintes também. Mas em algum momento aquele beijo teve que acontecer! E isso só se deu quando a coragem superou o receio, a curiosidade foi maior que a dúvida e a vontade de aprender nos levou a explorar ainda mais o mundo.

Não podemos aceitar que isso ficou enterrado em algum momento na nossa adolescência. Mas a maioria dos adultos age exatamente dessa forma! Nós nos acomodamos naquilo que conhecemos e dominamos: nos encastelamos ali como senhores da verdade.

Mas longe de ser uma fortaleza, isso é uma vulnerabilidade, pois impede que enxerguemos o novo à nossa volta. E não se engane: a mudança sempre chegará!

Isso me lembra uma experiência profissional que tive. Eu era responsável pela criação dos produtos digitais do grupo. Modéstia à parte, minha equipe e eu propúnhamos algumas coisas realmente interessantes e inovadoras. Mas quando as apresentávamos ao conselho de acionistas, invariavelmente acontecia um diálogo mais ou menos assim:

“Isso não vai ameaçar os nossos principais produtos?”

“Sim” –eu respondia.  “Mas, se nós não fizermos isso, alguém fará.”

“Ah, mas se é assim, não podemos fazer isso, não.”

A ideia era arquivada. E, como eu suspeitava, mais cedo ou mais tarde, alguém tinha a mesma ideia e fazia.

Dos tais “principais produtos”, dois já morreram e o que restou respira por aparelhos.

 

Seja honesto e aprenda a ouvir

Outro resquício da nossa educação que permeia empresas e profissionais é que devemos estar sempre “bonitos na foto”, coisa que, aliás, está bem na moda. Como dizia o meu pai, “come frango e arrota peru”.

Mas nem sempre acertamos. Nossa natureza humana é a garantia de que, de vez em quando, é o “frango” mesmo que aparecerá –ou algo ainda pior.

Profissionais e empresas precisam aprender que isso não é nenhum demérito. E que eventuais críticas podem ser uma oportunidade de ouro de vermos nossas imperfeições por um outro ângulo, para que aprendamos a melhorar.

A tecnologia está deixando o mundo cada vez mais transparente. Por isso, empresas que tentam encobrir suas falhas e até mesmo apagar comentários negativos podem, na melhor das hipóteses, passar por ridículas e, na pior, sofrer duríssimos golpes nos seus negócios.

Não basta ser honesto e transparente apenas para fora, com consumidores, governo e opinião pública. A inovação acontece de maneira mais rápida e natural em companhias que agem dessa forma sincera também para dentro, com seus funcionários, sem demagogia ou cortinas de fumaça. É preciso mudar não apenas as palavras, mas também as ações, inclusive na cultura da companhia.

Relembrando novamente a empresa que mencionei acima, de que adiantava o CEO nos dizer que deveríamos “pular no abismo” (no sentido de inovar), se o Conselho nos agarrava pelos pés?

Inovação é um processo incrível e libertador! Não se inova coletando mais informação, aplicando novos e eficientes processos, implantando tecnologia de ponta. Esses todos são elementos, ferramentas que podem ajudar.

Mas a inovação só acontece mesmo quando aceitamos que somos vulneráveis e que sempre podemos aprender algo novo. Aventure-se!


Artigos relacionados:

As crianças enterraram a TV. E daí?

A youtuber Kéfera Buchmann, do canal 5incominutos, que faz gigantesco sucesso  entre as adolescentes – Imagem: divulgação

A youtuber Kéfera Buchmann, do canal 5incominutos, que faz gigantesco sucesso entre as adolescentes

Nunca as crianças consumiram tanto vídeo quanto agora. O formato está cada vez mais consolidado, valendo também para os adultos. Só que, ao contrário do que acontece com eles, para os pequenos, ver vídeo virou sinônimo de YouTube. E, longe de ser apenas uma questão de mídia, isso é algo que também deve preocupar pais, educadores e profissionais de marketing e de negócios, pois traz questionamentos muito sérios e diversos.

Afinal, tanto YouTube pode alienar ou viciar as crianças? É a nova “babá eletrônica”? O serviço pode ameaçar as emissoras ou até mesmo os fabricantes de TV? Isso pode disfarçar publicidade infantil?

O fato é que, até setembro, crianças de zero a 12 anos brasileiras viram impressionantes 52,2 bilhões de vídeos no YouTube, considerando-se os 230 canais mais populares nessa faixa etária. Os números foram revelados pela segunda edição da pesquisa “Geração YouTube”, divulgada no dia 5 pelo ESPM Média Lab. Desde a sua primeira edição, publicada em novembro passado, o aumento nessas visualizações foi de 184%. Isso em um espaço de menos de um ano!

Nesta sexta, participei do JC Debate, da TV Cultura, onde pude conversar sobre isso com a jornalista Andresa Boni e com o advogado Márcio Mello Chaves. A íntegra do programa (30 minutos) pode ser vista abaixo:


Vídeo relacionado:


Além da audiência e do seu crescimento espantosos, o fenômeno inclui outra característica muito relevante: apesar de as crianças adorarem vídeos, elas simplesmente não os assistem no aparelho de televisão. Aquela tela enorme, normalmente na sala ou no quarto, não faz muito sentido para elas. E o mesmo vale para as emissoras.

Para as crianças, vídeo é vídeo, seja ele da TV aberta, da TV por assinatura ou de qualquer serviço digital. Mas todos eles, qualquer que seja sua origem, são vistos no YouTube. E o equipamento preferido é, de longe, o smartphone.

Isso explica em parte esse crescimento explosivo: as crianças, cada vez mais, têm acesso a esse aparelho, muitas vezes de sua propriedade (e não mais dos pais). Dessa forma, carregam o dito cujo para todo lugar e a todo momento, inclusive longe da supervisão paterna. E ver os vídeos passa a ser uma atividade constante, especialmente diante do aumento e da profissionalização dos tipos de canais preferidos: games, youtubers mirins  e youtubers teens.

É tudo uma questão de identificação!

 

“Eu falo como você fala!”

Todos nós consumimos conteúdos com os quais nos identificamos. Com as crianças funciona do mesmo jeito.

No caso dos canais de games, as crianças querem ver como outras crianças jogam os seus títulos preferidos, seja como um passatempo, seja para aprender a jogá-los melhor ou superar fases difíceis. E nada melhor que outra criança para explicar isso.

A identificação de linguagem e assunto é o que impulsiona os canais dos youtubers mirins e teens. Essa turma grava vídeos aparentemente sem uma pauta muito clara: falam para a câmera sobre suas experiências pessoais, alegrias, angústias, dúvidas relativas à idade. Sem filtros e, muitas vezes, até sem planejamento. Esse estilo despojado e natural, e os temas que também fazem parte das vidas do público são o segredo do sucesso. Alguns youtubers teens nem pertencem mais a essa faixa etária, mas continuam se relacionando muito bem com adolescentes, pois sabem como e o que falar com eles.

Portanto essa identificação confere a esses youtubers uma credibilidade que pais e educadores simplesmente não conseguem ter, o que muitas vezes deixa esses adultos de cabelo em pé, por desaprovarem o linguajar e o conteúdo dos vídeos.

E essa credibilidade pode ser usada também para objetivos questionáveis.

 

Publicidade eficiente e polêmica

A pesquisa do ESPM Media Lab também indicou um surreal crescimento de 975% nos canais da categoria “unboxing” desde a última pesquisa, de longe a que mais evoluiu. Para quem não sabe do que isso trata, são canais em que crianças e adolescentes, acompanhadas ou não por adultos, tiram produtos (normalmente brinquedos) das suas caixas diante das câmeras (daí o nome em inglês).

A atividade surgiu em canais estrangeiros de tecnologia, em que youtubers faziam análises técnicas de produtos, orientando compras de seu público. Mas rapidamente caiu no gosto das crianças, pois mostrar seus brinquedos aos amigos é uma atividade que os pequenos fazem naturalmente, desde sempre. A diferença é que, se antes a audiência dessas demonstrações ficava restrita a coleguinhas em casa ou na escola, com os vídeos digitais ela passa a ser potencialmente global.

Até aí, nenhum problema. Mas a coisa começou a complicar quando algumas empresas começaram a perceber que poderiam começar a “presentear” os youtubers mirins com seus produtos, para que eles fizessem seu “unboxing”. Trocando em miúdos, as crianças, que são formadoras de opinião nesse meio, passaram a fazer uma eficientíssima propaganda, o que caiu como uma luva para as companhias, especialmente em tempos de grande restrição à publicidade direcionada a crianças.

Isso tem gerado um caloroso debate. Apesar de alguns desses canais serem obviamente patrocinados, dada a incrível qualidade na sua produção, como diferenciar uma criança que está legitimamente exercendo seu direito de mostrar brinquedos de outra que está sendo usada como ferramenta de marketing? A BBC fez uma ótima reportagem sobre isso há alguns meses, para a qual fui entrevistado.

As crianças estão rompendo paradigmas. E a TV pode ser a próxima vítima.


Vídeo relacionado:


Adeus TV! Olá YouTube!

Nessa combinação incrível de YouTube com smartphones, a antiga dupla dinâmica formada pelas emissoras e pelos aparelhos de TV pode estar com os dias contados. Pois os adolescentes e especialmente as crianças, que deveriam ser seus futuros consumidores, simplesmente as ignoram. Para eles, aquilo é uma caixa anacrônica e pouco atraente.

O principal desalinhamento acontece em um ponto central do modelo de negócio das emissoras: a grade de programação. Os jovens não conseguem entender porque têm que esperar o “horário certo” para assistir um determinado programa. Para eles, o horário certo é aquele em que eles querem ver o programa, qualquer que seja.

As emissoras estão se mexendo, ainda que muito tardiamente, só porque sentiram a água gelada em seus fundilhos. A maioria delas já tem aplicativos para computadores e dispositivos móveis em que se pode ver a programação a qualquer momento. Mas é uma solução mambembe, pois o programa só é liberado online depois de ter passado na telona. Ou seja, não resolve o problema da grade. Por que preciso esperar uma semana para, por exemplo, assistir a um novo episódio de Game of Thrones no HBO Go, se a temporada inteira já está pronta?

Sei que não dá para fazer isso com uma novela, que chega a ter 200 capítulos, e o nível de liberação dos novos acontece apenas poucos dias após sua gravação. Mas para, por exemplo, séries de 10 ou 20 episódios, não faz o menor sentido. E justiça seja feita, a Globo tem feito alguns experimentos interessantes com o seu aplicativo Globo Play, mas ainda insuficientes para atender às demandas de um público cada vez mais exigente.

Outro ponto de discórdia entre a TV e os jovens é a interrupção dos programas para comerciais. Eles estão acostumados a novas formas de monetização, inclusive com um controle enorme sobre os próprios comerciais. E esse é outro ponto que bate de frente com o modelo de negócios cristalizado das emissoras.

Por fim, há ainda a questão da privacidade. Crianças e adolescentes querem assistir a seus vídeos em paz. Leia-se: sem que seus pais fiquem controlando o que consomem. Os smartphones são perfeitos para isso. Já as TVs, que estão, aliás, cada vez maiores, se tornam inadequadas.

Como se pode ver, é uma situação delicadíssima e muito difícil de ser resolvida, pois a TV atender essas demandas significaria matar um negócio que, a despeito de uma contínua queda na audiência, ainda vai muito bem, abocanhando mais de metade de todo o bolo publicitário entre todas as mídias.

Mas um dia essas crianças crescerão. E seus pais não estarão mais aqui para continuar vendo TV. Para elas, quem está mandando muito bem e indicando o caminho a seguir, desde já, é o YouTube.

E é como eu sempre digo: quer prever o futuro? Olhe para as crianças agora.


Artigos relacionados:

Quem nunca disse “para que eu estou estudando isso mesmo”?

O improvável professor Dewey Finn (Jack Black), do filme “Escola de Rock”, conseguiu engajar seus alunos ao redefinir uma disciplina para algo que lhes fizesse sentido - Foto: divulgação

O improvável professor Dewey Finn (Jack Black), do filme “Escola de Rock”, conseguiu engajar seus alunos ao redefinir uma disciplina para algo que lhes fizesse sentido

O Governo Federal causou enorme alvoroço na educação brasileira ao anunciar, há alguns dias, profundas alterações no Ensino Médio. Mais que algo que impacte apenas a vida de estudantes, as novidades afetam decisivamente o futuro de todo o país. Entretanto, apesar de as mudanças estarem sendo muito criticadas, pouca gente tocou em um ponto essencial da miséria da nossa educação: o que afasta os estudantes da escola não é O QUE os eles aprendem, mas COMO eles aprendem.

Um dos motivadores das medidas anunciadas é justamente diminuir a evasão escolar. Isso seria conseguido permitindo que os alunos escolhessem um eixo temático entre cinco disponíveis (formação técnica e profissional, linguagens, matemática, ciências da natureza ou ciências humanas). Dessa forma, a partir da metade do segundo ano do Ensino Médio, cada estudante estudará majoritariamente disciplinas das quais gosta mais. As únicas que serão comuns a todos os eixos são Língua Portuguesa, Matemática e Língua Inglesa. Na primeira metade do curso, continuam sendo estudadas as 13 disciplinas atuais.

O governo argumenta que esse modelo está de acordo com o praticado em países que normalmente são referência de bom sistema educacional, especialmente os Estados Unidos. Se o aluno estudará majoritariamente conteúdos com os quais têm mais afinidade, isso aumentaria a chance de gostar mais da escola, melhorando seu aprendizado e abrindo caminho para um bom desempenho em um curso universitário na mesma área. Em tese, faz sentido.

Mas quem é educador ou tem filhos adolescentes está cansado de ouvir deles a célebre frase: “mas para que eu estou estudando isso mesmo?” E, de maneira geral, essa pergunta se aplica à maioria dos conteúdos, distribuídos entre todas as disciplinas. Portanto, pouco adianta segmentar o Ensino Médio para o aluno escolher qual percurso quer seguir, se nenhum deles FAZ SENTIDO para ele.

O verdadeiro problema é que a escola, há muito tempo, deixou de falar a língua dos estudantes.

 

Professor Mario Bros

Se puxarmos pela memória, podemos lembrar que nós mesmos, quando cursávamos o ensino de 2º grau (o “colegial”), também fazíamos essa mesma pergunta, pois aquilo tampouco fazia muito sentido para nós. Mas ainda assim enfiávamos a cara nos livros e aprendíamos. Pois, por mais que eventualmente achássemos o jeito dos professores falarem antiquado, conseguíamos nos comunicar com os elementos no ambiente escolar.

O professor ainda era o detentor do conhecimento: ele falava, os alunos ouviam. O aprendizado acontecia em uma única direção. Toda a informação didática estava organizada em livros e as pesquisas eram feitas em enciclopédias. Os alunos faziam uma tarefa de cada vez e de maneira sequencial, e o pensamento era organizado dessa forma. E quando a lousa de giz era substituída por um quadro branco, achávamos aquilo um grande avanço tecnológico.

Trinta anos depois, a introdução da tecnologia digital de maneira ubíqua em nossas vidas provocou mudanças culturais dramáticas em todos nós, especialmente nos mais jovens. E isso soterrou com uma pesada camada de questionamentos todo aquele sistema de ensino.

A primeira grande mudança é que os estudantes hoje são efetivamente capazes de fazer mais de uma coisa simultaneamente. E eles fazem isso o tempo todo. Essa habilidade multitarefa entre em choque com o estilo sequencial sobre o que a educação brasileira ainda está calcada.

A tecnologia onipresente e oferecida em cada vez mais dispositivos permite que os alunos acessem todo tipo de informação que quiserem, a qualquer hora e em qualquer lugar. Mas a maioria das instituições e dos professores insistem em barrar a entrada da tecnologia na escola, não porque não a conheçam, mas porque não sabem ao certo como tirar proveito pedagógico dessas ferramentas. Sem falar no temor (nada infundado) de que os alunos dominarão a ferramenta muito mais eficientemente que eles mesmos.

Afinal, são poucos os professores que conseguem ver um videogame como material pedagógico.

 

Mudança de papeis

Os estudantes têm, portanto, acesso a uma infinidade de informações de todo tipo. Não quer dizer que sejam todas de boa qualidade, mas eles absorvem o bom e o ruim como uma esponja. Em muitas ocasiões, chegam à sala de aula com mais informação sobre o tema da aula que o próprio professor. E aí acontece um grande cisma da educação atual.

Diante de tantas informações e tantos estímulos, os adolescentes vêm crescendo com grande carga argumentativa. São, portanto, questionadores natos, muito mais que o que se observava nas gerações anteriores.  Mas a maioria dos professores ainda quer manter o modelo de detentores únicos do conhecimento, no estilo de sala de aulas que eles conheceram como alunos e no qual foram formados profissionalmente. Os alunos, claro, não aceitam mais isso.

Os professores precisam entender que perderam o título de única fonte do saber, e que agora precisam se comportar muito mais como tutores, mediadores que conduzirão seus estudantes na sua jornada da construção do conhecimento dentro de seus próprios termos, incluindo uma relação de igual para igual com o mestre, pensamento não-linear, colaboração entre pares e uso intenso de todo tipo de tecnologia que tiverem à mão.

Como os professores não conseguem fazer isso, chegamos ao problema que serve de título para este artigo. Os alunos simplesmente não entendem por que estão aprendendo os conteúdos escolares, qualquer que seja a disciplina. Aquilo não lhes fala ao cérebro, e muito menos ao coração. E aí não aprendem. E se desestimulam. E a evasão escolar cresce.

Tudo o que a proposta do governo quer combater. Mas cujas causas sequer foram abordadas por ela.

 

Um novo modelo de escola

Não precisa ser gênio para perceber que a solução dos problemas da péssima educação brasileira e da evasão escolar não se resolverão simplesmente aumentando a carga horária ou segmentando o ensino em eixos temáticos. As essências do problema, que são a dificuldade de os professores se comunicarem com os estudantes e o fato de eles não verem sentido no que aprendem, permanecem intactos.

A solução só pode surgir com uma grande reforma nesses pontos, algo que provavelmente surtiria efeitos muito melhores que o que está sendo debatendo agora em torno da proposta federal.

Como exemplo, aproveito algo que já apresentei aqui: o modelo bastante ousado da escola Quest to Learn, que fica em Nova York e que construiu uma maneira completamente nova de ensinar todo o conteúdo do currículo nacional: usando apenas jogos (eletrônicos, de tabuleiro, de interpretação, e por aí vai). Cheguei a fazer o vídeo abaixo, onde detalho sua proposta:


Vídeo relacionado:


Muita gente pode achar que os alunos lá passam o dia brincando e não aprendem nada. Eles estão certos na primeira parte, mas rotundamente enganados na segunda. Os alunos da Quest to Learn apresentam resultados acadêmicos incríveis: a escola foi campeã na olimpíada de matemática de Nova York nos últimos três anos e seus indicadores pedagógicos são superiores aos da média das instituições da cidade. Além disso, o índice de faltas e de evasão escolar são ínfimos (6% e quase zero, respectivamente), os professores adoram trabalhar no local (90% não a deixam) e os pais a apoiam fortemente (88% de aprovação).

Tudo o que o governo quer.

Claro que implantar uma escola dessa é difícil. Exige uma mudança completa da maneira de pensar de professores e coordenadores, com uma tal profundidade que possivelmente a maioria não seria capaz de realizar. A estrutura da escola também precisa ser modificada para acomodar o novo formato. Além disso, muitos pais provavelmente resistiriam ao novo formato, por não acreditar que ele possa dar resultado.

Mas o caminho não precisa ser trilhado de uma só vez. Mudanças podem ser feitas de maneira gradativa e contínua, verificando as características de cada público e como os resultados vão sendo atingidos. E sempre discutindo com todos os atores envolvidos: alunos, pais, professores, academia e autoridades da área.

A única coisa que não podemos fazer é ficar parados. O governo federal está certo quando afirma que nossos resultados escolares são péssimos e precisam ser melhorados com urgência.  Mas as mudanças precisam ser tomadas no caminho certo, com coragem e com a participação de todos.

Portanto, querer impor uma proposta goela abaixo, por Medida Provisória, como está sendo feito agora, não funcionará. Educação é algo construído a muitas mãos.


Artigos relacionados:

Como a briga sobre a política e a religião nas escolas determinará o nosso futuro

Cena de “Sociedade dos Poetas Mortos” (1989), que conta a história do professor Keating (Robin Williams), que usa métodos de ensino heterodoxos em uma tradicionalíssima escola - foto: divulgação

Cena de “Sociedade dos Poetas Mortos” (1989), que conta a história do professor Keating (Robin Williams), que usa métodos de ensino heterodoxos em uma tradicionalíssima escola

As salas de aula brasileiras estão se transformando em um campo de batalha ideológico. De um lado, grupos exigem que professores sejam proibidos de discutir política, religião ou sexualidade com os alunos. Do outro, professores resistem. Mas será possível uma escola que ignore completamente esses temas? Na resposta a essa pergunta, reside o futuro de cada um de nós e do país.

Somos seres essencialmente políticos. Mesmo se nos posicionássemos contrários à sua prática ou discussão, estaríamos exercendo uma postura política. O mesmo vale para a religião e para o sexo: não há como escapar totalmente disso. Portanto, negar essas discussões é como negar nossa humanidade. Esses assuntos são poderosas ferramentas para transmissão de conhecimento, mesmo daqueles que não estejam diretamente ligados a eles. E a escola lança mão desses recursos desde os tempos de Aristóteles, de uma ou outra forma. Mas então o que mudou agora?


Vídeo relacionado:


Acontece que estamos nos tornando cada vez mais intolerantes. E isso é algo extremamente perigoso para a educação e para a sociedade como um todo.

A discussão vem ganhando força graças ao Movimento Escola Sem Partido, criado pelo advogado Miguel Nagib em 2004, mas que está aparecendo mais desde o ano passado. Ele defende que os professores sejam proibidos de discutir com os estudantes suas convicções políticas, religiosas ou sexuais. Segundo o advogado, isso funcionaria como a usurpação do direto dos pais da educação moral dos filhos, além de constituir um abuso contra os alunos, que não têm a opção de não querer ouvir o que o professor tem a dizer. Além disso, pela própria natureza da relação mestre-aprendiz, as palavras dos professores teriam grande influência sobre os estudantes.

O grupo vai mais longe, e propõe que sejam criadas leis que institucionalizem tais proibições. Mais que isso, querem que a Base Nacional Comum Curricular, atualmente em discussão, também inclua mecanismos no mesmo sentido. Dessa forma, não apenas o que os professores dizem, mas também o que os livros didáticos trazem seria controlado. E já conseguiram o apoio de muitos senadores, e deputados federais e estaduais para sua causa.

Mas, afinal de contas, há doutrinação nas escolas?

 

Os dois lados da mesma moeda

Resposta simples e direta: claro que sim!

Um desavisado poderia então achar que as propostas do movimento são válidas. Afinal, muitos professores discutem mesmo questões políticas, religiosas e sexuais com seus alunos, e, em muitos casos, isso é feito de uma maneira exagerada e tendenciosa. O mesmo vale para diversos livros didáticos, que prestam um verdadeiro desserviço à educação.

Entretanto o que o Escola Sem Partido propõe troca algo ruim por outra coisa tão ruim quanto. O movimento tem inspirações política e religiosa claramente conservadoras. Por isso, na prática, sua guerra declarada é contra conteúdos “de esquerda” e que contrariem dogmas das religiões cristãs dominantes.

Consideremos, por hipótese, que o movimento tivesse sucesso absoluto em suas propostas. Então os professores não debateriam mais questões como o homossexualismo e o casamento entre pessoas do mesmo sexo, condenados pelas igrejas, mas que, queiram elas ou não, existem em todo lugar.

Que espécie de cidadãos essas escolas formariam? Um bom cidadão só nasce quando ele é exposto à diversidade de ideias. Dou um exemplo pessoal para ilustrar o caso. Acho o Criacionismo uma bobagem, e não nego que me causa estranheza que ele apareça lado a lado à Teoria da Evolução das Espécies, de Charles Darwin, nos livros de Ciências de meus filhos. Mas nem por isso vou criar uma guerra contra os livros, a escola ou os professores.

Apesar de não concordar com isso, sei que é importante que meus filhos conheçam as diferentes ideias sobre o assunto, para que possam crescer tomando decisões embasadas. Além disso, precisam saber que o mundo é feito de visões conflitantes, mas que elas podem coexistir em paz. Em contrapartida, debato com meus filhos sobre tudo, de cabeça e coração abertos.

Se esse tipo de “ensinamento moral” ficasse restrito à minha casa, como defende o Escola Sem Partido, talvez meus filhos tivessem uma visão limitada daquilo que eu não concordo. E isso seria muito ruim. Como pai, eu tenho a obrigação de permitir que meus filhos conheçam opiniões diferentes das minhas.

Na esfera política, os livros sempre trazem a visão do grupo que está no poder. É verdade que hoje temos uma clara inclinação aos conteúdos “de esquerda”, que vem se fortalecendo desde que os militares desceram a rampa do Planalto, e que acelerou com a ascensão do PT à presidência. Mas quem tem mais que 40 anos deve se lembrar que, na época da ditadura, esses mesmos livros eram recheados de temas ufanistas, do “Brasil gigante”, dos heróis nacionais. É só pensarmos na figura de Tiradentes se parecendo a Jesus Cristo, uma clara aberração histórica (um alferes jamais teria aquela barba e aquele cabelo), mas que servia muito bem para transformar um personagem menor da nossa história em um grande herói nacional.

Mas então o que pode ser feito para melhorar de verdade a educação?

 

Equilíbrio e tolerância

Professores que se preocupam mais em doutrinar que educar fazem de seus alunos pessoas piores. Mas querer lavar todo esse cenário com água sanitária, abrindo caminho para exageros em sentido oposto, é igualmente horrível.

Uma educação de qualidade só pode ser conseguida com uma visão ampla do mundo, e com equilíbrio de posições que se contrapõem. E um futuro positivo para o Brasil só pode ser moldado por uma ótima educação. Para isso, temos que exercitar uma das mais nobres características humanas: a tolerância.

Lembro-me que, quando casei, o sacerdote nos disse: “o segredo para um casamento duradouro é a tolerância às diferenças do outro e o perdão”. “Tolerância” e “perdão”: duas palavras que todos conhecem e que sabem o seu significado, mas que são observadas cada vez menos no comportamento das pessoas.

Escolas deveriam ser locais de tolerância e perdão. E elas também são casas de formação acadêmica e de cidadania. Portanto as pessoas nos diferentes papeis ali devem expor o que pensam, mas aproveitar isso para genuinamente ensinar a ouvir e a tolerar opiniões divergentes, sem radicalismos ou histórias que maquiem a verdade para qualquer um dos lados. Pois alguém só pode ser considerado um bom cidadão se as conhecer bem e se for capaz de analisá-las desapaixonadamente, inclusive vendo o que cada uma tem de bom e de ruim.

Você consegue fazer isso?


Artigos relacionados:

Como destruir uma nação usando apenas livros

A péssima educação brasileira deixa vagas abertas em um país cheio de desempregados

A Grécia está prestes a ser varrida da História

Conheça a incrível escola totalmente baseada em jogos

Violência contra a mulher começa em casa, passa pelo MasterChef e chega às redes sociais

O perverso coquetel da cultura do estupro, impunidade e redes sociais

Dá para melhorar o Brasil?

A tecnologia pode PIORAR a educação?

Como a conquista das crianças pelo YouTube pode impactar empresas e a educação

O que significa o vexame que esculhambou a Bayer e a AlmapBBDO em Cannes

Cena do filme “Muito Loucos” (1990), em que um publicitário (Dudley Moore, à esquerda) é internado como louco porque decide dizer só a verdade em suas peças - imagem: divulgação

Cena do filme “Muito Loucos” (1990), em que um publicitário (Dudley Moore, à esquerda) é internado como louco porque decide dizer só a verdade em suas peças

Na semana passada, a AlmapBBDO e a Bayer passaram pelo ridículo de devolver dois Leões de Bronze do Festival Internacional de Criatividade de Cannes. A situação vexatória representa muito mais que a perda de importantes prêmios: ela escancara como o mercado publicitário se acha um fim em si mesmo e como muitas empresas estão completamente dissociadas do mundo em que vivem.

Para quem não sabe do que trata o caso, a agência se viu obrigada a abrir mão das estatuetas porque as três peças premiadas, feitas para a Aspirina (que podem ser vistas ao longo desse artigo), foram pesadamente criticadas pelo público por terem um caráter machista e incentivar a gravação não consentida de sexo. Afinal, bastaria tomar um desses comprimidos para se livrar da dor de cabeça que o vazamento de tais registros causaria à vítima. Isso em um momento em que a sociedade brasileira está engajada em torno de discussões que condenam práticas como essa!


Vídeo relacionado:


Para piorar, as peças foram criadas exclusivamente para ganhar prêmios, e não para vender o produto! Tanto que a veiculação foi paga pela AlmapBBDO, e não pela Bayer, apenas para poder atender aos critérios mínimos e concorrer ao prêmio. Diga-se de passagem, esse tipo de “peça fantasma” é proibida em Cannes.

Uma das "peças-fantasma" que a AlmapBBDO criou para a Aspirina para vencer em Cannes

Em sua defesa, a agência disse em comunicado que “pode ter havido interpretações diferentes da mensagem que a peça queria passar” e que ela “repudia a prática de filmagem não consensual e qualquer espécie de violência ou invasão de privacidade”.

De fato, pode ter havido.

Uma das "peças-fantasma" que a AlmapBBDO criou para a Aspirina para vencer em Cannes

Estou confuso: se realmente repudiam isso, como essas peças puderam ser criadas? Qual seria a interpretação legítima na cabeça do criativo responsável? É uma pena que, mesmo depois dessa mancada mastodôntica, a AlmapBBDO não teve a sensibilidade de assumi-la e pedir desculpas sinceras ao público e ao mercado. Ficou tudo naquela zona morna de “foi tudo uma piada genial, que vocês não entenderam nada, seus chatos”.

Isso guarda um outro componente perverso da publicidade brasileira. Ninguém duvida que ela é uma das melhores do mundo, mas os incontáveis prêmios inflaram de tal maneira os egos de muitos profissionais, que se acham no direito de fazer o que bem entenderem. Consideram-se artistas, quando, na verdade, não passam de operários de uma indústria cuja existência destina-se a vender produtos alheios. Por conta disso, se dão o direito de infringir as regras, para inscrever em um concurso uma peça que eles acham uma “grande sacada”, mas que não seria paga pelo anunciante e que ofenderia o consumidor.

Uma das "peças-fantasma" que a AlmapBBDO criou para a Aspirina para vencer em Cannes

Mas nada disso importa. O que vale é valorizar a sua “arte”, mesmo que ela seja criada sobre todo tipo de estereótipo e apelações.  Um bom exemplo são as propagandas nacionais de cerveja, fortemente vinculadas à exposição de mulheres-objeto voluptuosas em trajes mínimos.

Como se cerveja servisse para pegar mulher. Ou como se mulher não bebesse cerveja.

 

Falta de empatia

A Bayer também saiu chamuscada do episódio. Diante da repercussão na imprensa internacional do caso, um porta-voz resumiu-se a dizer que “a veiculação foi de responsabilidade da agência, a fim de atender os requisitos para submissão em Cannes”. E concluiu: “a Bayer solicitou à AlmapBBDO a descontinuidade da campanha bem como a divulgação, promoção subsequente ou adicional do anúncio”.

Ótima maneira para tirar os holofotes do fato de que a Bayer concordou com todo esse circo desde o princípio.

Que vergonha, Bayer!

Criada em 1899, a Aspirina sobreviveu a dramáticas mudanças sociais em todo mundo, desde o fim da Era Vitoriana até o Brexit. E uma dela é que as empresas, cada vez mais, devem ter uma postura mais consciente com as sociedades em que atuam, e devem ser mais empáticas com seu público.

Com o surgimento de leis de defesa do consumidor e o fortalecimento dos canais de comunicação, especialmente as mídias sociais, as empresas não podem mais simplesmente se ver no papel de produtores de bens que devem ser consumidos pela população. Hoje elas são chamadas a participar do debate público, a serem sustentáveis e a conversar com as pessoas, sejam seus clientes ou não.

Quanto maior a empresa, mais envolvida ela está com tudo isso. E poucas empresas na história chegaram ao tamanho da Bayer, uma gigante farmacêutica e química com mais de 150 anos de estrada e 100 mil empregados. Omitir-se em temas de grande repercussão social seria como querer esconder um elefante em uma plantação de morangos pintando as suas unhas de vermelho.

Nesse episódio, a situação da indústria é ainda pior, pois os anúncios eram de um de seus principais produtos. Não interessa se a peça era só para ganhar prêmios e se a veiculação foi paga pela AlmapBBDO: a empresa se prestou ao papelão de empenhar a marca Aspirina a peças moralmente questionáveis.

Há algo de bom a se tirar dessa absurda patacoada. Ficou mais um exemplo de que as empresas precisam estar atentas aos movimentos da sociedade e demonstrar empatia com as pessoas. E isso não significa ter discursos bonitos. Tampouco respostas burocráticas resolvem. Empatia significa verdadeira e genuinamente demonstrar interesse pelos sonhos, pelas necessidades e pelas dores do outro. É vir a público, de peito aberto, e dizer tanto “deixe-me ajudá-lo” quanto “desculpe, errei, mas vou corrigir isso”.

E vendo por uma lógica capitalista, executivos das empresas devem parar de pensar que isso é “custo”, pois, a longo prazo, todo esse investimento no bem-estar social se reverte em ganhos maiores, proporcionados por clientes conscientemente engajados em torno de causas em comum, que podem até se tornar embaixadores da sua marca.

Do ponto de vista da publicidade, fica claro que as agências deveriam tomar vergonha na cara e coibir fortemente esses condenáveis anúncios social e moralmente deploráveis. E parar de achar que a publicidade vende a si mesma, ao invés de vender o produto do anunciante.

Enquanto isso, a AlmapBBDO e a Bayer ainda devem desculpas decentes ao mundo.


Artigos relacionados:

%d blogueiros gostam disto: