Prepare-se para ficar sem seu número de telefone


Meus amigos, esta versão de O Macaco Elétrico está sendo desativada.
A partir do dia 17 de março de 2017, ela não receberá mais atualizações.
Por favor, atualizem seus Favoritos para o novo endereço:
http://paulosilvestre.com.br/o-macaco-eletrico/


Foto: Visualhunt / Creative Commons

Responda rapidamente: você se lembra do número de telefone de todos os seus familiares e amigos mais próximos? Provavelmente não! Algo que era corriqueiro até bem pouco tempo atrás parece estar sendo varrido da nossa memória, e nem percebemos como isso está acontecendo. Mais que uma simples curiosidade, isso está associado a mudanças em nossos cérebros que estão transformando nossa maneira de trabalhar, estudar e até nos divertir.

A causa é muito simples: não precisamos mais do número de telefone para falar com alguém. Como essa informação não é mais relevante, nosso cérebro “libera espaço” para outras coisas mais importantes. E o principal agente dessa mudança é a tecnologia digital, particularmente os celulares e as redes sociais.


Vídeo relacionado:


Pouca gente sabe, mas os números foram criados para viabilizar o crescimento da rede telefônica. Antes deles, todas as ligações eram completadas manualmente: a pessoa tirava o telefone do gancho e aguardava o telefonista atender (não existia disco ou botões para chamar alguém). Quando a ligação era atendida, era necessário dizer o nome da pessoa com quem se desejava falar. O telefonista então literalmente conectava os interlocutores, ligando um fio ao terminal de cada um em um grande painel, como pode ser visto na imagem abaixo.

Antiga telefonista, ainda usando seu painel para conectar pessoas - Foto: Visualhunt / Creative Commons

Desnecessário dizer que esse sistema estava condenado. Com o aumento da quantidade de linhas instaladas, os painéis cresceram cada vez mais, até chegar ao ponto de ser inviável a sua operação pelo “operador” (como são chamados os telefonistas em inglês). Os painéis foram então substituídos por centrais telefônicas eletromecânicas, que faziam basicamente a mesma coisa, porém de uma maneira automatizada e para uma quantidade muito maior de linhas.

Como a figura do telefonista também ficou obsoleta com esse sistema, era necessário criar um código para que as pessoas pudessem comandar à distância as enormes centrais. Esse comando era o número, na verdade uma sequência de pulsos elétricos gerados pelo aparelho e entendida pela central. Quando se precisava de mais linhas, bastava acrescentar mais dígitos ao número: hoje, no Brasil, são 11 (dois do código de área, cinco do prefixo e quatro do sufixo), garantindo 100 bilhões de combinações (na prática, muito menos), com ligações feitas de maneira rápida e praticamente sem erros.

Mas se o sistema funciona tão bem, por que então ele está sendo substituído?

Resposta: porque ele não é natural para o ser humano.

 

Somos pessoas, não máquinas

Lá atrás, quando tudo começou e as pessoas precisavam do telefonista para completar suas chamadas, elas não informavam um número para conversar com alguém: elas diziam o nome do interlocutor. É óbvio! Não queriam falar com o “número 137”; queriam falar com o “João da Silva”! Cabia ao operador saber em qual buraco do seu painel espetar o fio.

Com a chegada das centrais automáticas e os números de telefone, fomos obrigados a nos adaptar a um procedimento muito mais difícil e pouco natural. Claro que recebemos um grande benefício em troca desse esforço: a quase universalização do telefone, conectando pessoas, empresas e instituições.

Ótimo para a indústria de agendas de telefone! Acabávamos decorando algumas dezenas de números, aqueles para quem ligávamos com mais frequência. Para todos os demais, recorríamos ao caderninho: procurávamos pelo nome, mas ainda terminávamos no número.

Tanto que, quando os primeiros telefones celulares surgiram, um dos recursos mais usados era justamente a lista de contatos. Muito útil, mas ainda era uma lista de códigos para comandarmos a centrais.

Então veio o Facebook. E essa história de cem anos começou a mudar.

 

Mudanças na nossa cabeça e na telefonia

Sim, foi a Apple que redefiniu o que é telefone e mostrou o caminho para termos um supercomputador permanentemente conectado em nossos bolsos. Mas foi a turma do Mark Zuckerberg que resgatou o prazer de pensarmos nas pessoas –e nada mais– quando queremos conversar com elas.

Não foram eles que criaram o conceito de comunicador instantâneo, título pertencente ao ICQ, lançado em 1996. Mas certamente foram o Facebook Messenger e o WhatsApp (depois comprado por Zuckerberg) que trouxeram para as massas a possibilidade de conversar por voz com qualquer pessoa do mundo sem pagar nada, apenas clicando sobre seu nome.

Número? O que é isso?

Se os comunicadores instantâneos da geração anterior já tinham decretado a morte do SMS, uma das principais fontes de receita das operadoras de telefonia, os atuais estão enterrando de vez as ligações por voz, especialmente as lucrativas chamadas interurbanas e internacionais. E as teles, do alto do seu comodismo e lerdeza, veem sua atuação cada vez mais reduzida a provedores de conexões de Internet. Não me espanta que, diante da sua tradicional incompetência de se adaptar às mudanças do consumidor, agora estejam querendo estrangular seus clientes, aplicando restrições justamente a esse serviço.

Elas podem espernear o quanto quiserem, mas esse é um caminho sem volta. A obsolescência dos números de telefone é apenas o sintoma mais recente de mudanças que a tecnologia digital vem promovendo em nossas mentes. Nossa plasticidade neurológica faz com que o cérebro se reorganize constantemente para privilegiar processos e informações mais importantes para nossas vidas, enquanto aquilo que usamos pouco acaba ficando “no fundo do baú”.

O Google é outro protagonista nesse processo. Graças a sua busca incansável e declarada de organizar toda a informação do mundo, inadvertidamente o transformamos em um grande “secretário” do nosso cérebro. Informações muito relevantes para cada um de nós, que antes decorávamos pela própria importância ou pelo uso contínuo, agora são recuperadas não de nossos neurônios, mas da memória digital infinita do buscador.

O curioso é que não estamos perdendo a capacidade de memorizar as coisas. Em paralelo, estamos desenvolvendo outra habilidade muito interessante: a capacidade de encontrarmos o que buscamos de maneira mais eficiente, com os recursos que tivermos disponíveis. E, como estamos o tempo todo com nossos smartphones, isso significa ter o Google permanentemente à disposição. Esse processo chegou a ser documentado em um estudo da pesquisadora Betsy Sparrow, da Universidade Columbia (EUA), ainda em 2011.

O resultado são importantes mudanças comportamentais. Dá para afirmar, por exemplo, que todas as profissões vêm sofrendo evoluções dramáticas desde que a Internet comercial foi liberada, no meio dos anos 1990. Ganhamos a capacidade de realizarmos mais tarefas, mas rápida e eficientemente. E os grandes responsáveis são o acesso rápido à informação de todo tipo, e a melhoria na maneira de nos comunicarmos com quem precisamos.

Isso também pode ser sentido em outros aspectos de nossas vidas, como na maneira como nos divertimos e até nos relacionamos. A aprendizagem também foi impactada decisivamente: com o acesso irrestrito à informação, as salas de aula estão deixando de ser espaços para transmissão de dados, para se tornarem locais de troca de conhecimento, algo mais eficiente e importante. E o professor adquire um papel muito mais nobre, como maestro desse processo.

Portanto, não estou nem um pouco preocupado por não lembrar mais do número de telefone de todos os meus amigos e familiares. A importância deles para mim não diminuiu em nada! Mas agora eu posso me concentrar no que eles representam e no que eu quero lhes dizer, sem ter que me preocupar com etapas intermediárias e dispensáveis para isso.


Anúncios

Prepare-se para ficar sem Internet

Foto: Leo Hidalgo (@yompyz)/Creative Commons

Empresas de telefonia anunciaram um duro golpe contra seus próprios clientes, impondo restrições ao consumo de dados em seus planos de Internet. Na prática, isso significa que, de repente, todos nós poderemos ficar sem acesso apenas por usar o produto pelo qual pagamos.

Para quem não sabe do se trata, a Vivo (que agora controla a GVT) anunciou que, assim como fazem a NET/Claro e a Oi, agora limita seus planos de banda larga fixa, aquela usada em residências e empresas. Cada plano passa a ter uma franquia, ou seja, uma quantidade de dados para usar todo mês. Quando esse limite for atingido, a velocidade da conexão é reduzida a patamares inutilizáveis ou a conexão é simplesmente cortada. O serviço só é restabelecido na virada do mês, ou caso o usuário compre um “pacote de dados adicional”. Naturalmente pagando bem caro por ele.


Vídeo relacionado:


Juntas, essas empresas respondem por 86% do acesso à Internet fixa no país. Por isso, o anúncio praticamente simultâneo cheira a cartel. Diante da gritaria do público, a TIM aproveitou para dizer que a empresa não imporá esses limites a seus clientes. Esperta! Mas ponto para ela.

O argumento das operadoras parece válido em um primeiro momento: que pague mais quem usa mais. Elas fazem um paralelo com o serviço de fornecimento de energia elétrica. Dessa forma, quem usasse a Internet apenas para tarefas muito básicas, como ler e-mails, pagaria pouco, enquanto heavy users de vídeo sob demanda pagariam muito.

Pura cortina de fumaça para dar um ar de justiça social a uma decisão arbitrária e abusiva!

 

Pega na mentira!

Temos que considerar que esse cidadão da “Internet básica” está em extinção, se é que ainda existe. Quem nunca entra, pelo menos de vez em quando, no YouTube para ver um vídeo de humor, um trailer de cinema ou ouvir uma música? Portanto esse argumento de “cobrar pouco da Internet a carvão” é inválido.

A comparação com o fornecimento de energia elétrica também é um insulto à inteligência do público. Enquanto novos eletrodomésticos são projetados e a população é instruída a gastar menos energia, mas sem que isso configure perda na qualidade no serviço, no caso da Internet vivemos em um mundo em que o tráfego de dados cresce exponencialmente. Não poderia ser diferente: as pessoas têm a sua disposição mais e mais serviços online, sem falar no fato de que cada vez mais equipamentos nas empresas e nas residências estão permanentemente conectados. Você já parou para pensar quantos na sua casa estão online agora? Além dos computadores (que pode ser mais que um), existem os smartphones de todos os membros da família, tablets, televisões, videogames, relógios inteligentes, TV por IP (como Apple TV), sistemas de som… E em breve teremos o carro, o refrigerador e todo tipo de automação doméstica (na Coreia do Sul, por exemplo, já temos lâmpadas ligadas à Internet). Portanto, essa comparação com o fornecimento de energia elétrica é completamente inadequada.

Por fim, há ainda a quantidade de dados que as teles oferecem para cada franquia, outro grande engodo. Elas são criadas para ser insuficientes. No caso da Vivo, as franquias variam de 10 gigabytes, para o plano mais barato (“Banda Larga Popular 2 Mb/s”), a 300 gigabytes, para o mais caro (“Fibra 300 Mb/s”).

Colocando isso em perspectiva, 10 gigabytes são consumidos, por exemplo, assistindo a umas oito horas de Netflix (oito episódios de séries ou quatro filmes), ou a cinco horas de YouTube, ou participando de umas cinco horas de cursos à distância em vídeo ou se divertindo por 15 minutos (sim, minutos!) com jogos online por streaming. Vale lembrar que você ainda tem que incluir todas as outras coisas que você fizer online (sim, WhatsApp e Facebook também contam) e que a franquia é dividida entre os usos de todos os membros da residência em um mês inteiro!

Olhando para esses exemplos fica impossível não notar um provável alvo das operadoras.

 

Guerra ao vídeo online

Acontece que essas empresas também têm outros negócios, como telefonia (que vai mal das pernas) e TVs por assinatura (que está ladeira abaixo).

A única perna do seu tripé que não para de crescer é justamente o acesso à Internet, com usuários cada vez mais ávidos por velocidade e volume de dados. E o grande impulsionador disso é o vídeo, que se estabeleceu como a nova linguagem no meio digital.

Basta olhar para crianças e adolescentes. A ferramenta de busca deles para qualquer assunto não é o Google: é o YouTube. Além disso, eles simplesmente não querem saber de TV aberta ou fechada, não apenas porque todo o conteúdo que eles querem está online, mas também porque eles não se submetem à grade de programação, a base do negócio de qualquer emissora.

Some-se a isso os altos preços dos planos de TV por assinatura, excesso de comerciais, canais irrelevantes empurrados goela abaixo e baixa qualidade da programação, e temos, como resultado os seus 725 mil cancelamentos em 12 meses (até fevereiro, dados mais recentes da Anatel).

Grande parte desse público trocou as altas mensalidades das TVs por assinatura pela Netflix, mais barata, sem comerciais, sem grade de programação e com conteúdo de alta qualidade. Ou seja, paga-se muito menos por um produto muito melhor.

O negócio só não é perfeito porque a Netflix roda sobre a Internet. E quem oferece esse serviço são as teles. Então, no melhor estilo de “a bola é minha, brinco como eu quero”, elas se veem no direito de penalizar toda a população para tentar tornar o vídeo digital o vilão da história, para salvar o seu negócio moribundo de TV por assinatura.

 

O que fazer?

Portanto, apesar de os comerciais das operadoras para vender seus acessos à Internet sugerirem uma vida totalmente conectada às pessoas, inclusive destacando o vídeo sob demanda, sua visão tacanha de negócios castra seus clientes. A prática nega o discurso.

Seria de se supor que a Anatel fizesse alguma coisa a respeito. Mas a Agência Nacional de Telecomunicações decidiu lavar as mãos sobre o tema. Segundo ela, para serviços de banda larga fixa, as empresas podem fazer o que bem entenderem. Sua única obrigação é oferecer um sistema para que o cliente verifique quanto da franquia já consumiu e avisar quando estiver próximo a estourar sua cota mensal.

Felizmente os órgãos de defesa do consumidor não estão dispostos a fazer também o joguinho das teles. Tanto o Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) quanto a Associação de Consumidores Proteste já entraram na Justiça contra a prática abusiva. Juristas afirmam que o consumidor está protegido pelo Código de Defesa do Consumidor e pelo Marco Civil da Internet. Este último, uma espécie de “constituição da Internet” no país, prevê explicitamente que o sinal de Internet só pode ser interrompido por falta de pagamento.

Ou seja, a nova prática das teles, além de imoral, é ilegal.

Entretanto, não devemos esperar apenas pelos resultados das ações do Idec e da Proteste. Cada um de nós pode realizar diferentes ações. A página no Facebook Movimento Internet Sem Limites, que debate o assunto, já contava com mais de 400 mil inscritos no momento em que esse artigo foi escrito. Abaixo-assinados online também são boas maneiras de fazer pressão. O hospedado na Avaaz.org já caminhava para 1,5 milhão de adesões. Também é possível abrir uma reclamação no Procon de seu Estado.

Você pode ainda tentar pressionar os deputados federais por e-mail ou telefone. Só não sei se algum deles nos ouvirá nesses tempos em que Brasília só se preocupa com temas ligados ao impeachment da presidente…

A única coisa que não podemos fazer é não fazer nada. É necessário divulgar, debater e agir! Já não bastassem as altas mensalidades, os serviços ruins, o suporte deplorável, temos que engolir mais esse abuso agora?


Artigos relacionados:

 

%d blogueiros gostam disto: