Exibicionismo nas redes sociais: por que as pessoas se expõem online

Cena de “Janela Indiscreta”, clássico de Alfred Hitchcock de 1954 – foto: reprodução

Cena de “Janela Indiscreta”, clássico de Alfred Hitchcock de 1954

Desde as primeiras webcams, voyeurismo e exibicionismo inundam a Internet. Com os smartphones, ambos passaram a ser praticados a qualquer hora e lugar, ganhando uma legião de adeptos, inclusive entre adolescentes. Longe de qualquer discurso moralista, de vez em quando, as coisas fogem do controle, reabrindo o debate sobre os riscos do exibicionismo online.

Recentemente, tivemos dois exemplos extremos disso. Há alguns dias, uma adolescente se suicidou após suas amigas publicarem no Snapchat um vídeo dela tomando banho. Em outro caso, uma mulher está sendo processada por transmitir o estupro de uma amiga pelo Periscope. Apesar de, nesses dois episódios, os vídeos terem sido postados sem consentimento, esses dois aplicativos se tornaram ferramentas incríveis para esse “Big Brother pessoal”.


Vídeo relacionado:


Apesar de os termos de uso do Periscope e do Snapchat proibirem explicitamente conteúdo sexual ou pornográfico, não é difícil se deparar com isso nos dois serviços. Mas o que leva alguém a se expor dessa forma? E as pessoas realmente têm consciência do que estão fazendo?

O principal motivo é que, em tempos de vidas hiperconectadas, ver uma foto ou um vídeo seu sendo amplamente compartilhado e “curtido” causa um enorme prazer aos seus autores. O feedback instantâneo de comentários e de ícones de positivo e corações aquece o ego e incentiva uma corrida para se tornar uma microcelebridade online, seja entre seus amigos, seja em um grupo de desconhecidos em escala global.

Nessa busca pela “fama”, vale tudo. E poucas coisas são tão eficientes nessa jornada quanto erotismo e sexo.

O Snapchat tem uma curiosa característica de que todo o conteúdo publicado nele se autodestrói pouco tempo após ser visto pelo destinatário. Isso causa uma sensação de segurança, que tem favorecido o compartilhamento de imagens íntimas para “sexting”, ou seja, conversas online de conteúdo sexual.

Só que essa segurança é pura ilusão.

 

“Manda nudes”

O Snapchat realmente destrói os conteúdos logo após serem visualizados. Mas nada impede que os destinatários criem cópias dessas fotos e vídeos antes que isso aconteça. Portanto, aqueles “nudes” (fotos explícitas) podem ter uma vida nada efêmera.

Trocando em miúdos: sabe-se onde surge a imagem, mas não se sabe onde ela vai acabar. E aí está o problema: as pessoas nem sempre têm consciências disso.

Por exemplo, aquelas imagens enviadas cheias de confiança para o outro podem se transformar, no futuro, em outro fenômeno recente: a “revenge porn”, quando uma das partes espalha fotos íntimas da outra na Internet, normalmente por vingança pelo fim de um relacionamento.

No caso de adolescentes, a exposição de sua intimidade também pode estar associada a mais um fenômeno da cultura digital: o “cyberbullying”, quando as redes sociais são usadas para humilhar um desafeto. E imagens íntimas são ótimas para isso. Disso podem surgir atitudes extremas, como o suicídio mencionado no segundo parágrafo.

O fato é que não existe segredo na Internet. Por mais que se use os controles de privacidade das redes sociais, por mais que aplicativos garantam o anonimato, uma vez na rede, não tem volta: tudo corre o risco de vazar.

Mesmo lugares que são criados com a premissa da defesa da privacidade, não há garantia de segurança absoluta. Em 2014, James Comey, diretor do FBI, disse que existem dois tipos de grandes empresas: aquelas que já foram invadidas e aquelas que não sabem que já foram invadidas.

Como esquecer do caso da invasão do site Ashley Madison, que promove relacionamentos extraconjugais, ocorrida em agosto de 2015? Subitamente não apenas os dados pessoais de milhões de usuários foram expostos pelos hackers, como também as pessoas com quem conversaram, o que disseram e até as fotos que trocaram.

 

O que fazer?

Mas então devemos parar de usar nossos smartphones? Abandonar as redes sociais? Deixar de enviar fotos a quem gostamos?

Claro que não! Não devemos renegar o mundo que vivemos, e sim usá-lo com sabedoria.

E isso significa, para começar, seguir o ditado que diz que “não devemos dar sorte ao azar”. Em outras palavras, ao fazermos alguma coisa, devemos pelo menos estar conscientes do que cada ato representa. Tirar uma foto sensual não é um problema; publicá-la online para um grande grupo de pessoas (especialmente se tiver desconhecidos nela), pode ser. A menos que a superexposição não seja um problema em absoluto para essa pessoa, e ela estiver muito segura disso.

No caso de se ter filhos na adolescência ou entrando nela, uma conversa sincera é fundamental. Nunca no sentido de proibição ou de amedrontamento, mas de conscientização. A melhor maneira de se evitar dissabores nesse sentido é oferecer aos filhos todos os recursos para que eles compreendam o que fizerem. Além disso, é fundamental que pais e filhos conversem com franqueza e confiança sobre tudo, para que os primeiros sejam o porto-seguro dos segundos, sempre que precisarem.

Tudo porque estamos vivendo um momento de grande transformação social. Não é necessário temê-lo. Tentar impedi-lo não é possível. A melhor coisa a se fazer é compreender as mudanças e usá-las com inteligência e a nosso favor: curti-las numa boa e com confiança!


Você é o que você gosta

Home page do serviço "Apply Magic Sauce" - Imagem: reprodução

Home page do serviço “Apply Magic Sauce”

Seus pais provavelmente lhe falavam: “diga-me com quem andas e eu te direi quem és”. Mas em tempos de tecnologia ubíqua, o ditado, além de velho, parece ultrapassado. Para saber quem é você, o melhor é prestar atenção no que você gosta ou, mais especificamente, no que você “curte”.

Deixamos, o tempo todo, nossas pegadas digitais por aí, e elas são cada vez mais profundas e reveladoras. Há duas semanas, comentei aqui a crise causada pelo vazamento de informações dos assinantes do Ashley Madison, recomendando que pelo menos tentemos cuidar das informações pessoais que publicamos na Internet. O problema é que inadvertidamente fazemos pequenas ações que dizem muito sobre nós.

Quantas vezes você clica, todos os dias, no botão “curtir” do Facebook, seja nas páginas da própria rede social, seja naqueles que estão espalhados pelos mais diferentes sites? Não se sinta constrangido se a resposta for um número alto: essa ação inocente está tão integrada ao nosso cotidiano, que talvez nem saibamos responder a essa pergunta.

Mas não se engane: de inocente ela não tem nada. Mesmo quando “curtimos” uma pueril foto de gatinho ou uma piada tosca de um amigo, estamos afirmando um pouco do que somos. E a soma disso tudo pode ser surpreendente.

O Psychometrics Centre da Universidade de Cambridge (Reino Unido) criou, já há algum tempo, uma interessante ferramenta para demonstrar isso. Batizada de Apply Magic Sauce (algo como “Aplique o Molho Mágico”), o site faz, em poucos segundos, uma análise psicológica do usuário, incluindo os principais itens de sua personalidade, gênero, idade percebida, orientação sexual, inteligência, satisfação com a vida, orientação política e religiosa, educação e status marital. Detalhe importante: a única fonte de informação analisada são as suas “curtidas” no Facebook, nada mais. Nem mesmo o que você posta é considerado. E, mesmo o sistema estando calibrado para o idioma inglês, seus resultados têm uma precisão impressionante, quase assustadora.

Não é de se espantar que o nome da versão anterior da ferramenta era “You Are What You Like” (“Você é o que você gosta”).

 

Fazenda de dados

Imagem: reprodução

Se um instituto independente consegue tirar conclusões assim apenas a partir das “curtidas” do sujeito, que dizer então do verdadeiro “dono” da informação: o Facebook?

Mas a rede de Mark Zuckerberg está longe de ser a única empresa com esse poder. Seu maior rival, o Google, conseguiu colocar, no bolso da maioria de nós, um “rastreador” que carregamos alegremente. O Android, sistema operacional que dá vida à maioria dos celulares do mundo, é uma pequena maravilha na coleta de informações pessoais, de maneira quase inconsciente.

O “quase” acontece porque nós, de fato, autorizamos explicitamente essa coleta (e isso vale para qualquer sistema, não apenas o Android). Ao configurar um novo aparelho, respondemos afirmativamente várias perguntas que, na verdade, sequer entendemos do que tratam. E reafirmamos esse nosso “desprendimento” quando baixamos novos aplicativos. Eles invariavelmente listam toda informação pessoal a que terão acesso (muitas delas completamente desnecessárias para seu funcionamento). E nós graciosamente concedemos isso, ao clicar no botão “aceito”, quase sempre sem sequer ler a relação do que lhes repassaremos. A ânsia por baixar o novo aplicativo é tão grande, que o “aceito” do botão poderia ser perfeitamente substituído por um “me dá logo!”

É um fenômeno social maiúsculo o que vivemos. Grupos de proteção à privacidade pressionam governos para tentar limitar o acesso das corporações às informações pessoais. Por outro lado, as pessoas estão cada vez mais lenientes com o compartilhamento de seus dados em troca de serviços que efetivamente tornam suas vidas mais eficientes e divertidas.

Estou absolutamente certo que ninguém deixará de usar seu celular ou o Facebook só pelo que eu disse acima. Eu não deixarei! Mas precisamos estar cientes de que as empresas nos conhecem muito mais que nossas mães, talvez mais que nós mesmos! E, quem sabe, passar a ler a lista do que estamos dando antes de clicar “aceito”.

Você tem um segredo? Não o publique na Internet!

Hackers desmentiram todos os selos de segurança da home page do Ashley Madison

Hackers desmentiram todos os selos de segurança da home page do Ashley Madison

No dia 18, hackers expuseram publicamente dados pessoais de 37 milhões de usuários de um site. Isso já seria muito ruim em qualquer caso. Mas, se considerarmos que se tratavam de assinantes do Ashley Madison, site que promove relacionamentos extraconjugais, o acontecimento foi devastador. A questão é: isso poderia ter sido evitado?

Com o slogan “a vida é curta, curta um caso”, o Ashley Madison é o tipo de serviço que deveria ser construído sobre discrição e segurança de dados. Não obstante, os hackers liberaram os arquivos demonstrando que as informações estavam todas lá sem sequer uma criptografia básica.

Os incautos usuários acreditavam que protegiam sua privacidade criando um nome de usuário e um e-mail exclusivo para as puladas de cerca virtuais. Mas, para pagar pelo serviço, precisam informar os dados reais de seu cartão de crédito. E o site armazenou tudo isso. Com o vazamento, pode-se agora buscar, nesse gigantesco banco de dados, o nome verdadeiro de cada assinante, os dados de seu cartão, seu endereço, fotos que postou, as pessoas com quem falou e até mesmo as conversas.

Imaginem a situação dessas pessoas! A polícia canadense investiga dois suicídios que podem ter sido motivados pelo vazamento. Vale lembrar que o Brasil é o segundo país com mais usuários no serviço e São Paulo é a cidade com mais assinantes no mundo.

O Ashley Madison demonstrou grande amadorismo por guardar as informações sem criptografia e por armazenar dados dos cartões de crédito, para dizer o mínimo. Nesse caso, seus usuários não tinham alternativa. Mas será que cuidamos bem das informações que colocamos na Internet o tempo todo?

A resposta simples: não.

Em 2009, Eric Schmidt disse: “se você tiver alguma coisa que não quer que os outros saibam, não a publique na Internet.” O então CEO do Google explicava que não existe segurança absoluta e que eventualmente essa informação aparecerá em um buscador.

 

Superautoexposição

Obviamente ele não estava sugerindo que deixássemos de usar serviços digitais. E o que mais fazemos é colocar a nossa vida na Internet. Os mais espertos ainda usam com inteligência os recursos de privacidade de redes sociais, mas eles são apenas um controle mínimo, facilmente burlável, às vezes até sem querer.

Mas o buraco é mais embaixo. Vivemos em uma época em que as pessoas deliberadamente querem se expor, e fazem isso muitas vezes de maneira irresponsável e até perigosa. O meio digital criou uma falsa sensação de que tudo podemos, sem consequências.

Naturalmente isso não existe. De virtual, nosso “eu digital” não tem nada. Nossa vida online e nossa vida presencial são diferentes representações de uma única realidade.

Em tempos de smartphones que são poderosos computadores permanentemente conectados, compartilhamos nossa vida cada vez mais, muitas vezes sem que saibamos. Ou você acha que aquela oferta de um produto que você deseja em uma loja que está bem a sua frente chegou ao seu celular por pura coincidência?

 

O valor da informação

Algumas empresas já aprenderam a usar esse mar de informações que graciosamente oferecemos para entregar serviços e produtos cada vez mais personalizados e úteis. Ninguém faz isso melhor que o Google e o Facebook. Tudo aparentemente de graça! Mas, se você usa algo sem pagar nada por ele, não se engane: você não é o consumidor, é o produto.

Por mais assustador que isso pareça, é muito pouco provável que alguém deixará de usar produtos do Google ou do Facebook por estarem fazendo dinheiro com nossos dados. Mesmo que essas empresas saibam mais sobre nós que o Grande Irmão da sociedade distópica da obra 1984, de George Orwell, a esmagadora maioria está muito longe de se sentir oprimida por elas. Conscientemente ou não, achamos tudo isso um preço justo pelos produtos e serviços que recebemos em troca.

Precisamos apenas (tentar) garantir que nossa intimidade continue só nossa tomando cuidado com o que colocamos na rede. Afinal, nunca se sabe quando um grupo de hackers exporá a todos os segredos do Grande Irmão.

 

Atualização: diante de alguns comentários que este post recebeu, acho importante deixar claro que, de forma alguma, estou julgando os usuários do Ashley Madison. Por mais que, para muita gente, o que eles fazem é errado, essas pessoas foram vítimas tanto da incompetência do serviço, quanto dos hackers que os expuseram. São livres para fazer o que quiserem, e é absolutamente desproporcional alguém perder a própria vida por uma eventual traição conjugal. Meu alerta no post segue a linha do que propôs Eric Schmidt: não podemos simplesmente acreditar que a Internet protegerá magicamente nossas informações. Podemos colocar nela o que quisermos, mas precisamos ter consciência que essa informação nunca estará completamente segura.

%d blogueiros gostam disto: