A nova pressa do jornalismo

Duas versão da primeira página do fictício The Sun - Imagens: reprodução

De “GOTCHA!” a “They Didn’t Do It”: a mesma notícia, a mesma foto, o mesmo veículo, porém com mais ética e menos pressa

Vivemos um momento de riqueza e pobreza simultâneas no jornalismo. Riqueza no volume de notícias, e pobreza na qualidade da maioria do material publicado. Esse paradoxo pode ser, pelo menos em parte, explicado pela pressa com que os colegas trabalham hoje.

Nas faculdades de jornalismo, a pressa é apresentada como um ingrediente do ofício. A notícia não pode esperar e o furo é quase uma medalha para o jornalista.  As empresas de comunicação adoram isso, pois o furo vende mais. E, desde que o jornalismo aprendeu a usar os recursos digitais cada vez mais abundantes, onipresentes e poderosos, essa pressa se aproxima da instantaneidade. Pois é justamente nesse cenário que o profissional precisa aprender a ter menos pressa.

Quando o furo se torna uma meta histérica, corre-se um enorme risco de se sacrificar a apuração, a confiabilidade da reportagem. Esquece-se que a melhor notícia não é a dada primeiro, mas a publicada com mais precisão. Em muitas vezes, a verdade depende do ponto de vista de cada um, e não raro é surpreendente. Por isso, o jornalista deve ouvir todos os lados possíveis do que está apurando, para ter subsídios para uma análise crítica e ampla dos fatos. Mas como fazer isso estando com pressa de soltar a notícia?

O fechamento da edição é um mecanismo interessante que limita o trabalho do jornalista com um deadline previamente conhecido. Deve-se fazer o melhor trabalho possível até aquele horário. De certa forma, organiza os recursos disponíveis para se conseguir uma boa reportagem.

Mas o jornalismo digital aboliu o fechamento. Apura-se e publica-se. Se for necessário, depois se edita o que já foi publicado, se amplia e –o pior– se corrige, atropelando a ética. Esquece-se que a notícia publicada incorretamente pode ter efeitos desastrosos para quem é a notícia, e que correções posteriores normalmente não reparam o dano causado. Portanto, é uma falácia que o jornalismo digital não tem “erramos”, que a última versão da reportagem é a que vale, que se deve publicar primeiro e corrigir depois. Isso é antijornalismo e a pressa nunca justificou sua prática, por mais que a usem de muleta.

E sejamos francos: esse tipo de desvio moral não é invenção do jornalismo digital, apesar de ele oferecer “ferramentas” e “motivos” para que ele se intensifique. Isso chegou até a ser brilhantemente retratado no filme O Jornal, de Ron Howard, com Micheal Keaton e Glenn Close (trailer abaixo).

 

 

Lançado em 1994 (portanto antes do surgimento do jornalismo digital), o filme mostra uma maneira de se fazer jornalismo que esta desaparecendo. O roteiro demonstra como é possível ser ético mesmo em um jornal sensacionalista de Nova York, que falas como “deus nos livre de uma manchete sem ponto de exclamação” podem coexistir com “jamais publicamos uma história errada”. Pois a primeira descreve a forma, e a segunda descreve a essência do bom jornalismo.

Assisti a esse filme no cinema, quando ainda estava nos primeiros anos da minha carreira. Nunca mais esqueci o que aprendi com ele. Ele deveria ser obrigatório no conteúdo dos cursos de Jornalismo. Pois a pressa é mesmo ingrediente do nosso ofício, mas não é para ela que trabalhamos.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: