O casamento do bom jornalismo com as redes sociais

Em seu mais recente artigo no Estadão, “Jornalismo, humildade e qualidade”, Carlos Alberto di Franco se vale de ideias do jornalista Rosental Calmon Alves, catedrático da Universidade do Texas em Austin (EUA), para construir uma interessante crítica sobre a atual maneira de se fazer jornalismo.

Rosental prega -corretamente- que as novas tecnologias e as redes sociais não deixam mais espaço para um jornalismo em que os leitores são passivos consumidores da informação. Hoje eles são atores no palco, que criam, discutem, produzem, divulgam e consomem a notícia. Di Franco parte desse ponto, conclamando os colegas a ouvirem seu público para criar um jornalismo que seja de fato construtivo e que vá ao encontro às necessidades informativas da população.

Nada mais correto e necessário. A imprensa vive uma crise de valores com raízes na década de 1990, quando atingiu o seu auge. No Brasil, foi um período em que colheu frutos de uma tardia profissionalização, que transformou os veículos em máquinas azeitadas que sustentaram a nossa democracia recém-reconquistada. Porém o ópio de ser o “quarto poder” levou muitos jornalistas e empresas de comunicação a esquecerem a essência de nosso ofício e para quem, de fato, trabalham.

Deitados em berço esplêndido, não perceberam uma revolução social e tecnológica que se formava à sua volta -muitas vezes dentro das próprias Redações- onde o cidadão comum ganhava um poder nunca antes saboreado: falar e ser ouvido. Mais de cinco séculos depois de Gutenberg e sua prensa móvel terem viabilizado a disseminação de conteúdo para a multidão, a Internet permitiu que a própria multidão se fizesse ouvir, indivíduo por indivíduo.

Resultado: os grandes veículos perderam a capacidade de encantar seu público. Muitos passam por crises de credibilidade, o valor mais caro da imprensa. Sem o apoio popular -cada vez mais as pessoas se fiam em seus amigos ou mesmo na massa anônima para se informar- as empresas entram em crise. Na Europa e principalmente nos EUA, assistimos à quebradeira de jornais centenários.

Di Franco dá um dos caminhos para a imprensa sair desse buraco: humildade para atender e ouvir o leitor e qualidade no trabalho jornalístico. Eu me permito acrescentar a isso que as empresas precisam usar a Internet de maneira construtiva, justamente na sua capacidade essencial de cada indivíduo participar da criação da experiência informativa de todos os demais.

Jornalistas precisam aprender a usar isso não apenas para se pautar, mas também para entregar a cada pessoa em particular a informação que ela precisa. Nenhuma pessoa ou empresa é capaz de fazer isso sozinha, mas a combinação do que cada um é com o que faz e com quem se relaciona pode desatar esse nó górdio de uma época em que “meios de comunicação de massa” se transformaram em “meios de comunicação de um”.

Que fique bem claro: não estou advogando o fim do jornalismo profissional, apesar de reconhecer muitos méritos do “jornalismo cidadão”. Como disse acima, o bom jornalismo é ingrediente fundamental para uma sociedade evoluída e robusta. Mas prego o fim do jornalismo rasteiro, palaciano, meramente denuncista, fácil. Para isso, os bons editores e repórteres são essenciais. São eles que fazem a diferença na imprensa! Quanto à distribuição eficiente do resultado de seu trabalho, os próprios internautas podem cuidar disso.

Bem-vindos ao novo jornalismo!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: