A joia grega da coroa de Armstrong

Muitos colaboradores do The Huffington Post querem uma parte dos US$ 315 milhões que a AOL pagará pelo site criado por Arianna Huffington, mas será que eles têm direito de pedir isso?

Muitos colaboradores do The Huffington Post querem uma parte dos US$ 315 milhões que a AOL pagará pelo site criado por Arianna Huffington, mas será que eles têm direito de pedir isso?

Na segunda-feira, a AOL anunciou a compra do The Huffington Post por UR$ 315 milhões, sua maior aquisição desde que se separou da Time Warner, em dezembro de 2009. Representa também o maior movimento para a consolidação de um modelo de negócios que o CEO da AOL, Tim Armstrong, vem implantando desde que assumiu a companhia em março de 2009: sua transformação de uma empresa de tecnologia em uma de mídia.

Para quem não conhece, The Huffington Post é um site noticioso com cerca de 25 milhões de visitantes, e o único veículo online entre os dez maiores que não possui uma grande companhia de mídia por trás. Mas o que o torna realmente único é o seu modelo de produção: ele é mantido por um pequeno grupo de jornalistas e mais de 6.000 contribuintes não-remunerados das mais diferentes áreas, desde completos anônimos até celebridades, como o presidente americano Barack Obama, sua secretária de Estado, Hillary Clinton, e Madonna.

Essa turma contribui com o HuffPost por diferentes motivos, mas principalmente pela fama (para os anônimos, já que não há fortuna). Curiosamente, com o anúncio dessa segunda-feira, muitos deles criaram um coro de descontentamento, reclamando alguma participação nesse bolo. Li até mesmo um artigo revoltado (não por dinheiro) no TechCrunch, um dos melhores sites de notícias de tecnologia, também comprado pela AOL recentemente. Em tempo: Arianna Huffington, criadora do site, deve embolsar US$ 100 milhões em cash, além de ser nomeada editora-chefe do conteúdo de todos os sites sob o guarda-chuva da AOL.

Tudo isso levanta uma questão interessante: qual o lugar hoje do jornalismo profissional? Essa questão não é nova: já existe há uma década e ganhou força com a explosão da blogosfera, quando qualquer um passou a poder publicar, de maneira fácil e barata, o que pensava. Não tardou para surgirem uma infinidade de blogs jornalísticos, alguns muito bons, feitos por pessoas em suas horas vagas, jornalistas ou não. O próprio HuffPost é um filhote disso lançado em 2005.

Para mim, essa cisma para pegar um naco dos milhões investidos por Armstrong não é legítima. Apesar de o HuffPost só ter se tornado lucrativo no ano passado, Arianna já fatura com seu site faz tempo, seja dinheiro, seja prestígio. Além disso, se alguém dá de graça seu trabalho ou produto, tem um tarefa muito difícil para cobrar por ele depois. Esse formato de relacionamento profissional não-remunerado tem a ver com o jornalismo cidadão, que muitos acreditam indicar o futuro (ou parte dele) do jornalismo.

Portanto, deixem Arianna em paz.

Salvação de um negócio multimilionário moribundo?

Chutar a AOL sempre foi um esporte muito praticado por intelectuais da mídia e de TI. Se já era assim há 15 anos, quando a empresa detinha um domínio no mundo online aparentemente inalcançável, que dizer de uns anos para cá, quando ela assumiu ares de cachorro morto?

A despeito das críticas, a empresa chegou a ter mais de 30 milhões de assinantes pagantes. Entretanto, uma série de decisões estratégicas desastrosas –e a maior delas foi a fusão com a Time Warner em janeiro de 2001– transformou a companhia em uma sombra do que já foi.

Armstrong quer mudar isso. Apesar de sua situação atual, a AOL (e a soma de todos os seus sites) ainda é uma das cinco maiores destinos da Internet nos EUA. A entrada do The Huffington Post (e, em menor escala, até do já citado TechCrunch) nesse bolo pode dar à empresa um verniz e até mesmo certa legitimidade de que precisa. Do lado do HuffPost, Arianna pode ver seus visitantes saltarem de 25 milhões por mês para mais de 100 milhões.

Considero essa aquisição interessante para os dois lados. Não creio que a AOL vá enterrar o HuffPost, como alguns acreditam. Apenas não sei se o segundo será suficiente para a primeira voltar aos tempos de glória de outrora.

Anúncios

2 Respostas

  1. […] grega, criadora do The Huffington Post e presidente do AOL Huffington Post Media Group (desde que a AOL lhe pagou US$ 315 milhões para incorporar seu veículo), veio ao Brasil para participar do congresso e se reunir com […]

    Curtir

  2. […] grega, criadora do The Huffington Post e presidente do AOL Huffington Post Media Group (desde que a AOL lhe pagou US$ 315 milhões para incorporar seu veículo), veio ao Brasil para participar do congresso e se reunir com […]

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: