Deixando a “lição de casa” por conta dos alunos

Estive hoje no primeiro dia da Interdidática, onde participei do seminário de Tecnologia Educacional. Gostei de várias coisas que vi, mas destaco alguns pontos da palestra do iraniano Ebrahim Talae, pesquisador e professor do Departamento de Educação da Universidade de Oxford (Reino Unido). Em sua tese de doutorado, ele analisou como o uso em casa de computadores ajuda crianças a se desenvolverem cognitiva e comportamentalmente.

Algumas de suas conclusões me chamaram bastante a atenção. Primeiramente, crianças que usam o computador em casa, seja como recreação, seja como ferramenta de estudo, melhoram a sua autoconfiança no processo de aquisição de conhecimento. Além disso, enquanto o uso de computadores na escola permite que as crianças abordem muitos temas -porém de maneira superficial-, quando elas fazem o mesmo em casa, o aprendizado é restrito a menos assuntos. Entretanto, nesse caso, os estudantes aprendem sobre eles de maneira mais aprofundada.

Isso pode ser parcialmente explicado porque os alunos se sentem mais no controle do seu processo de aprendizagem quando estão em casa, valendo-se de todos os recursos que tiverem disponíveis e considerem de seu interesse. Por outro lado, quando estão utilizando o computador na escola, ficam à mercê das diretrizes apontadas pelos professores.

Perguntei a Talae se ele considerava que as escolas estariam prontas para alterar o seu processo pedagógico para que os alunos se beneficiassem de um uso do computador no ambiente escolar de maneira semelhante ao que fazem em casa. Afinal, as conclusões de sua pesquisa se alinham ao desejo de os alunos interferirem na elaboração do processo pedagógico, inclusive ampliando a presença da tecnologia dentro da escola, como já foi discutido aqui.

Sua resposta foi negativa para escolas do Reino Unido, e provavelmente para da maioria dos países. Os motivos: os professores não estariam preparados e não teriam tempo para incluir a tecnologia de uma maneira tão “livre” em suas aulas. Porém isso não quer dizer que as escolas não possam tirar proveito dos benefícios dos computadores na casa por seus alunos. Para isso, o pesquisador fez uma interessante sugestão: as “lições de casa” poderiam ser reformatadas de modo a garantir ao aluno poder para construir seu conhecimento com toda a autonomia. Ele apenas necessita atingir o seu objetivo de aprendizagem definido.

A proposta é mesmo interessante, e pode servir de transição entre o modelo atual de uso de tecnologia nas escolas e o que seria o ideal. Combina duas características das crianças: sua enorme curiosidade e sua habilidade com a tecnologia. Os resultados são promissores.

Em tempo: os estandes que gravitam o fórum e os seminários estavam bem ruins. Tive a impressão que eram os mesmos produtos expostos na Interdidática de 2009, que já era a mesma coisa da Interdidática 2008… Tudo bem que lousa digital é bacana, mas metade dos expositores estava lá vendendo isso. E conteúdo pedagógico de qualidade para colocar nessa infra toda?

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: