Para que os alunos estudam

Ao continuamente modificar seus currículos para que atendam às mudanças dos vestibulares e do Enem, muitas escolas sacrificam a qualidade do ensino que realmente interessa para a vida de seus alunos

Ao continuamente modificar seus currículos para que atendam às mudanças dos vestibulares e do Enem, muitas escolas sacrificam a qualidade do ensino que realmente interessa para a vida de seus alunos

No ano em que o Enem foi reinventado como porta de acesso única para pelo menos metade das universidades federais, a Fuvest, tida como o mais importante vestibular do país, anunciou que voltará a avaliar todas as disciplinas na sua segunda fase, e não apenas as mais relacionadas ao curso que o vestibulando está concorrendo. O próprio “novo Enem” ainda não definiu exatamente quantas questões terá. Tudo isso a meio ano da realização das provas.

Nesse cenário, as escolas de Ensino Médio, especialmente as conteudistas, enlouquecem, pois ficam sem saber exatamente como compor o cardápio que oferecem a seus alunos. Mas, no final das contas, que diferença isso faz? As vagas das melhores universidades serão mesmo ocupadas pelos alunos mais brilhantes, qualquer que seja o modelo do acesso ao curso.

E aí chegamos ao ponto que serve de título a esse post. Afinal, para que nossos alunos estudam? Para aprender não apenas conteúdos, mas também a resolver problemas de qualquer natureza, preparando-se para a vida, ou para apenas ingressar na universidade? Apesar de a resposta certa ser claramente a primeira, a maioria das escolas, escravizadas por uma necessidade mercadológica de depositar seus pupilos no Ensino Superior, orientam seus currículos para que atendam, da melhor maneira possível, à Fuvest e ao Enem. E, se der, a outros vestibulares importantes. Descarregam conteúdo e fórmulas na cabeça da galera. E dane-se o aprendizado que realmente importa! O resultado disso é a baixíssima classificação do Brasil internacionalmente quanto o assunto é educação.

Em seu formato atual, o vestibular deforma o Ensino Médio, que fica espremido entre o exame de ingresso (e não a faculdade em si) e um Ensino Fundamental quase sempre deficiente. Perde a chance de desempenhar um papel crítico na formação do indivíduo, em um momento em que sua personalidade está se consolidando. O Enem original se propunha justamente a avaliar a aquisição das competências desejáveis para o aluno, mas agora perdeu esse seu nobre objetivo.

Apoio a definição de um modelo universal de acesso ao Ensino Superior, mas não devemos matar a vaca para acabar com o carrapato. O Ensino Médio precisa ser respeitado, para que assuma e cumpra seu papel decentemente.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: