Há algo a se aprender com o fim da Gazeta Mercantil?

Detalhe do que era o site da Gazeta Mercantil, onde a CBM diz que não responde mais pelo jornal, que deixou de circular

Detalhe do que era o site da Gazeta Mercantil, onde a CBM diz que não responde mais pelo jornal, que deixou de circular

Hoje não veio a Gazeta Mercantil. Nem virá amanhã, e nem depois, e nem depois. Conforme anunciado na edição de sexta passada, aquela foi a última do periódico, outrora referência de jornalismo econômico nacional. Ironicamente, o que o matou foi justamente sua má gestão empresarial (para dizer o mínimo).

Há algo a se aprender com o falecimento do jornalão que retratava entrevistados com bico de pena? Sim! A Gazeta Mercantil construiu sua reputação ao longo de 89 anos por boas reportagens e análises diferenciadas, ou seja, muito trabalho e inteligência na produção. Para tanto, sempre investiu nos profissionais da casa, alguns dos melhores do país. Mas, como acontece com a maioria das empresas de comunicação brasileiras, parece que seus proprietários não liam o material que produziam. Para resumir a crise, os problemas vêm de quando Herbert Levy passou a administração do jornal ao filho Luiz Fernando, que, diante de sua inabilidade administrativa, passou a bola a Nelson Tanure, da CBM (Companhia Brasileira de Multimídia). Esse último, deparando-se com uma enxurrada de dívidas, jogou a toalha. E mandou a Gazeta Mercantil às favas!

Assim, não foi a crise internacional que matou o jornal. Nem foi a queda do dólar ou gripe suína. Ele já estava há anos nessa situação lamentável. O que pôs tudo a perder foi falta de seriedade. E, nessas horas, não há bom jornalismo que resista. Por diferentes motivos, é mais ou menos o que se vê hoje na mídia dos EUA, com a diferença que lá existe um enorme catalisador econômico representado pela combinação da crise econômica global com a ascensão da Internet roubando o market share dos impressos.

Em um tempo em que a notícia virou um produto, o leitor é quase um co-autor da publicação e a concorrência vem de todos os lados e maneiras, não há espaço para aventuras ou incompetência. O bom jornalismo é ingrediente essencial para o sucesso de uma publicação, mas ele não segura a onda sozinho. É preciso inteligência, agilidade, arrojo aos capitães do barco. Mas faltou isso no caso. Resultado: todo mundo em “férias”.

Quem sabe não nasce um novo veículo (online?) desse espólio profissional?

Anúncios

2 Respostas

  1. […] jornal, chame a turma do Tanure. Afinal, o JB não foi sua primeira vítima: há exatos 15 meses, o mesmo empresário matou a Gazeta Mercantil, outrora referência do jornalismo econômico brasileiro, falecida depois de 89 anos de bons […]

    Curtir

  2. […] jornal, chame a turma do Tanure. Afinal, o JB não foi sua primeira vítima: há exatos 15 meses, o mesmo empresário matou a Gazeta Mercantil, outrora referência do jornalismo econômico brasileiro, falecida depois de 89 anos de bons […]

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: